Vinícola Luiz Antunes em 1984 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória16/08/2019 | 19h06Atualizada em 16/08/2019 | 19h38

Vinícola Luiz Antunes em 1984

Registros raros integram o acervo do Centro Municipal de Cultura Henrique Ordovás Filho, que promove visita guiada e roda de conversa neste sábado

Vinícola Luiz Antunes em 1984 Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação/divulgação
O complexo de prédios que veio abaixo para ceder espaço ao Fórum de Caxias do Sul, no trecho acima do pórtico principal Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação / divulgação

O encontro Memórias da Antunes: Ontem e Hoje,  a partir das 14h deste sábado (17), no Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho, promete jogar luzes sobre o apogeu e o declínio de uma das maiores empresas do setor vitivinícola de Caxias do Sul ao longo do século 20. Falamos da Vinícola Luiz Antunes &Cia, fundada em 1865, em Porto Alegre, e instalada em Caxias no início dos anos 1910 — o Ordovás situa-se no prédio remanescente do complexo.

Uma tarde para conhecer a história da Cantina Antunes

A atividade, integrante da programação do Dia Estadual do Patrimônio Cultural pretende reunir moradores próximos – dos bairros Panazzolo, São Leopoldo, Rio Branco e "Lusitano" – e ex-funcionários do local para uma roda de conversa, seguida de visita às edificações remanescentes, como o antigo pórtico e os prédios onde funcionavam o escritório e o laboratório da empresa — atuais Casa das Etnias e sede da UAB.

A ideia, segundo a diretora do Centro de Cultura Ordovás, Claudete Taiarol Travi, é relembrar a história da Antunes a partir dos relatos de quem teve a vinícola como parte de seu cotidiano — seja no trabalho, na vizinhança ou no itinerário. 

Entre outros, estarão presentes nomes que até hoje vivem nas redondezas, como Jandira Michelon, Alvis Santos Fiedler e Noeci Lentz da Silva, moradora da histórica casa ao lado do pórtico da Rua Luiz Antunes. Se você também teve a vinícola como parte de sua trajetória, independentemente da época, passe por lá. Toda a programação é gratuita.

Leia mais:
Exposição resgata história da Cantina Antunes, em Caxias do Sul
Valorizar a história da Vinícola Luiz Antunes é prioridade do Centro de Cultura Ordovás, em Caxias do Sul, para 2019
Caxias pelas lentes de um turista em 1960 

Os prédios que ruíram e onde hoje localiza-se a cancha de esportes. À direita, ao fundo, parte do prédio do OrdovásFoto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
O prédio da atual Sala de Teatro Valentim LazzarottoFoto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação

Imagens raras 

Na seleção desta página, algumas imagens raras integrantes do acervo de slides do Centro de Cultura Ordovás. Os registros são de 1984, época em que dívidas decorrentes de impostos com a União resultaram em um leilão de praticamente todo o maquinário e equipamentos da empresa. 

Quatro anos depois, em 1988, prédio e área foram cedidos pela Fazenda Nacional ao município. Porém, a demora da administração em recuperar o patrimônio resultou em abandono, saques e na rápida deterioração do complexo.

Entre os destaques abaixo, o extinto pórtico da antiga Quinta São Luiz, onde situava-se também a residência do diretor Armando Antunes e sua família, posterior boate Quinta Estação (abaixo). 

Leia mais:
Nos tempos da Cantina Antunes
A Quinta São Luiz e o Quinta Estação
Izaura Mano Bonho: 95 anos e um Natal em 1984
Imigração portuguesa: Tanoaria São Martinho em 1948  
Rua Tronca em 1958   

O antigo pórtico da Quinta São Luiz (ao fundo)Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
O antigo pórtico da Quinta São Luiz (ao fundo), acesso à residência de Armando Antunes e posterior Quinta EstaçãoFoto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
O antigo escritório da direçãoFoto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
O antigo escritório da direçãoFoto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação

Trajetória

Fundada em 1865, em Porto Alegre, a empresa chegou a Caxias por volta de 1910, mas teve seu apogeu verificado entre as décadas de 1930 e 1950. Filho do português Luiz Antunes –  e aconselhado por ele -, Armando Luiz Antunes mudou-se para a cidade em 1913 (provável data da construção do pórtico) para abrir uma filial da empresa. Químico prático, com especialização em vitivinicultura, Antunes buscava impulsionar o cultivo de uvas e o comércio de vinhos.

Após transformar Caxias na principal fornecedora da bebida na região, o empresário transferiu-se definitivamente para a Serra. Junto ao complexo do bairro Panazzolo, Armando construiu um amplo casarão (o Quinta Estação) para morar com a esposa, Jandira Neves, e as quatro filhas: Noêmia, as gêmeas Ilka e Ilza (que veio a falecer aos dois anos) e Nilza.

Nos tempos áureos, quando fornecia vinhos para vários estados brasileiros, a vinícola chegou a somar mais de 100 mil parreirais de diversas espécies de uva e empregar centenas de trabalhadores. 

Leia mais:
Cantina Antunes em rótulos e receitas
Cantina Antunes: uma carta e um catálogo
Capela da Cantina Antunes em 1944
Escola da Vinícola Luiz Antunes em 1943
Ruínas da Cantina Antunes nos anos 1980  

Foto: Arquivo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação
Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação

Agende-se

O que: Memórias da Antunes: Ontem e Hoje. Roda de conversa, projeção de imagens antigas e visita aos prédios remanescentes do complexo
Quando: neste sábado, das 14h às 17h
Onde: Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho (Rua Luiz Antes, 312- Caxias do Sul)
Quanto: entrada franca

O complexo da Vinícola captado a partir do Parque do Sol em 1984Foto: Acervo Centro de Cultura Ordovás / divulgação

Leia mais:
Demolição da Vinícola Mosele em 1981
Lembranças da Vinícola Mosele
Rua Olavo Bilac e suas antigas vinícolas
Cooperativa Vinícola Caxiense e o lendário Vinho Casto
Caxias do Sul redescobre área de antigas vinícolas próximas à Estação Férrea
Pátio da Estação: novo complexo de gastronomia e serviços terá investimento de R$ 10 milhões  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros