Memória: Rua Tronca em 1958 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga08/06/2018 | 07h30Atualizada em 08/06/2018 | 07h41

Memória: Rua Tronca em 1958

Obras de pavimentação da via, entre a BR-116 e a Avenida Rio Branco, tiveram início ainda na década de 1930

Memória: Rua Tronca em 1958 Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação/divulgação
O trecho da Rua Tronca a partir da Henrique Dias até a Avenida Rio Branco, ainda sem o calçamento e com o quartel ao fundo, em 1958 Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação / divulgação

Compreendendo trechos dos bairros Lourdes, Exposição, São Leopoldo e Rio Branco, a Rua Tronca têm sua origem e evolução diretamente ligadas à trajetória do imigrante que lhe empresta nome: Domenico Tronca (1865-1949). 

Nascido em Caldogno, na província de Vicenza, o jovem migrou para o Brasil aos 20 anos, em 1885, 10 anos após o início da colonização italiana na região. Encerrada uma breve sociedade com o empresário Luiz Antunes, Domenico abriu, por volta de 1908, sua própria cantina, então localizada numa área compreendida entre as ruas Tronca, Visconde de Pelotas, Garibaldi e Sarmento Leite. 

A trajetória de Domenico Tronca

Visionário, o italiano também organizou uma empresa de transporte por carretas, para escoar a produção de vinhos e iguarias coloniais, e fundou uma tanoaria, onde eram produzidos os barris para o armazenamento da bebida. O imigrante, inclusive, acolheu alguns dos primeiros tanoeiros portugueses que se instalaram nas imediações – e que contribuíram para que a região ficasse conhecida como bairro lusitano.  

Leia mais:
Nos tempos da Cantina Antunes
A Quinta São Luiz e o Quinta Estação
Escola da Vinícola Luiz Antunes em 1943
Capela da Cantina Antunes em 1944
Ruínas da Cantina Antunes nos anos 1980  

Com a venda da Cantina Tronca, em meados de 1929, Domenico somou a seu patrimônio mais uma grande quantidade de terras. Parte delas foi dividida em lotes e comercializada entre os moradores com menos recursos financeiros, que foram abrindo ruas e se estabelecendo na área compreendida entre a atual prefeitura e o quartel. 

É desse trecho, entre a Rua Henrique Dias e a Av. Rio Branco (ao fundo), a foto maior acima, datada de 1958. A imagem destaca o então 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm e algumas construções existentes até hoje. 

Entre eles, o casarão de madeira em primeiro plano à esquerda e os sobrados de alvenaria defronte ao quartel. À direita, as casas fronteiriças ao antigo milharal que se estendia até a Rua Olavo Bilac — nos anos 1990, o terreno, pertencente à Vinícola Riograndense, foi desapropriado para o prolongamento da Rua Feijó Jr. até a Tronca, onde mesclou-se com a Visconde de Taunay. 

Leia mais:
Imigração portuguesa: Tanoaria São Martinho em 1948
Izaura Mano Bonho e um Natal em 1944
Baile no Esporte Clube Juventus na década de 1950
Juventus: os 60 anos do tricampeonato varzeano
Cooperativa Vinícola Caxiense em 1960
Terceiro Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm nos anos 1950

Anos 1930: as obras de macadamização da Rua Tronca, com o prefeito Miguel Muratore e Domenico Tronca (de boné, à direita, ao fundo)Foto: Giacomo Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Na década de 1930

Domenico Tronca também acompanhou a evolução da via que recebeu seu nome, principalmente na gestão de Miguel Muratore, prefeito de Caxias entre 1930 e 1935. Nas imagens acima e abaixo, integrantes do acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, vemos Domenico (à direita, de  boné) e Muratore conferindo os trabalhos de macadamização da rua, no início da década de 1930. Era o processo de assentar três camadas de pedras em uma fundação com valas laterais, para a drenagem da água da chuva.

Anos 1930: as obras de macadamização da Rua Tronca, com o prefeito Miguel Muratore e Domenico Tronca (de boné, à direita, ao fundo)Foto: Giacomo Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Nos anos 1960

Registros no antigo jornal Caxias Magazine, na segunda metade dos anos 1960, destacam os trabalhos de calçamento da Rua Tronca, no trecho entre a Alfredo Chaves e a BR-116, durante a administração do prefeito Hermes Weber. Matéria da edição de 7 de agosto de 1965 informa que "o calçamento está sendo procedido numa extensão de 2 mil metros, em que serão empregados 800 mil paralelepípedos".

Confira abaixo algumas matérias veiculadas na época. Os jornais foram reproduzidos do Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, que disponibiliza consulta online a boa parte dos periódicos editados em Caxias do Sul desde o final do século 19. 

Com a colaboração do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Leia mais:
Lembranças da Rua Alfredo Chaves
Rua Alfredo Chaves em 1965
Ary Cavalcanti e a Sociedade Marechal Rondon de Arco e Flecha em 1961
Família de Batista Giovanni Facchin em São Marcos da Linha Feijó
A trajetória da família Tessari em livro
Os 80 anos do Círculo Operário Caxiense

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória    


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros