Uma tarde para conhecer a história da Cantina Antunes - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória15/08/2019 | 07h00Atualizada em 15/08/2019 | 07h00

Uma tarde para conhecer a história da Cantina Antunes

Atividade aberta ao público ocorre neste sábado, a partir das 14h, no Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho

Uma tarde para conhecer a história da Cantina Antunes Giacomo Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
A rua de acesso aos prédios da vinícola coberta de neve, em junho de 1941 Foto: Giacomo Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Além do evento Uma Tarde no Palacete Eberle, abordado na coluna de quarta-feira, o Dia Estadual do Patrimônio Cultural, neste sábado (17), reserva diversas outras atrações pela cidade. Entre elas o encontro Memórias da Antunes: Ontem e Hoje,  a partir das 14h, no Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho.

A atividade pretende reunir moradores próximos – dos bairros Panazzolo, São Leopoldo, Rio Branco e "Lusitano" – e ex-funcionários do local para uma roda de conversa, seguida de visita aos prédios remanescentes, como o antigo pórtico e os prédios onde funcionavam o escritório e o laboratório da empresa. 

— O encontro marca a abertura do projeto de visitação mediada ao Centro de Cultura Ordovás à comunidade e visitantes. A antiga cantina Luiz Antunes & Cia foi referência na produção de uvas e vinhos até a década de 1980, assim como é uma das referências da imigração portuguesa em nossa cidade – explica Claudete Travi, diretora do Ordovás.

Durante o programa, o público poderá conferir também algumas imagens raras do ocaso da empresa, nos anos 1980. Os slides, integrantes do acervo do Centro de Cultura Ordovás, destacam a arquitetura, os pavilhões e até o segundo pórtico da vinícola, localizado no acesso à antiga Quinta São Luiz e ao casarão do diretor Armando Antunes – posteriormente transformada na boate Quinta Estação. 

Ah, sim: a melhor parte do encontro será a participação do público, com suas lembranças e memórias – tanto da empresa, quanto do cotidiano do bairro e das redondezas. Se você morou ou ainda mora por ali, não deixe de ir...

Leia mais:
Exposição resgata história da Cantina Antunes, em Caxias do Sul
Valorizar a história da Vinícola Luiz Antunes é prioridade do Centro de Cultura Ordovás, em Caxias do Sul, para 2019
Caxias pelas lentes de um turista em 1960

O complexo da Vinícola Luiz Antunes na década de 1950, com a residência do diretor Armando Antunes, posterior Quinta Estação (ao centro), e o prédio do Centro de Cultura Ordovás (à direita)Foto: Giacomo Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Neve em 1941

Na imagem acima, o enorme complexo da Antunes em meados dos anos 1950, com os antigos prédios demolidos para a instalação do Fórum de Caxias do Sul, nos anos 1990. Vê-se ainda a emblemática casa da família Lentz da Silva, ao lado do pórtico (mais à esquerda). 

Abrindo a matéria, um registro captado durante a neve de 1941. Conforme informações repassadas pelo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, os dois últimos prédios, com as inscrições "Escritório" e "Luiz Antunes & Cia" atualmente abrigam o Ponto de Cultura Casa das Etnias.

Já a edificação com a inscrição "Armazéns de" atualmente abriga a União das Associações de Bairros (UAB). Os prédios com as inscrições "Vinhos Generosos" e "Quinta São Luiz" foram demolidos na década de 1980 e hoje abrigam parte da quadra de esportes.

Leia mais:
Nos tempos da Cantina Antunes
A Quinta São Luiz e o Quinta Estação
Imigração portuguesa: Tanoaria São Martinho em 1948   

Espaço do Memorial da Cantina Antunes agora situa-se próximo ao acesso à Galeria de ArteFoto: Madeleine Reis / divulgação

Memorial renovado

O início da atividade deste sábado, no Centro Municipal de Cultura Henrique Ordovás Filho, ocorre junto ao Memorial da Cantina Luiz Antunes & Cia, recentemente transferido para uma área onde o acervo pode ser melhor contemplado pelo público: no acesso à Galeria de Arte (foto acima). 

Lá estão, além de barris, dornas e maquinário antigo, fotografias, garrafas, miniaturas e rótulos das lendárias bebidas produzidas pela empresa – fundada em 1865, em Porto Alegre, e chegada a Caxias por volta de 1910. 

Entram aí o Conhaque Imperial, o Quinado, o Vermute, o Branco de Mesa e o Vinho Velho Imperial, entre outros (fotos abaixo).

Leia mais:
Cantina Antunes em rótulos e receitas
Cantina Antunes: uma carta e um catálogo
Capela da Cantina Antunes em 1944
Escola da Vinícola Luiz Antunes em 1943
Ruínas da Cantina Antunes nos anos 1980

Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Leia mais:
Demolição da Vinícola Mosele em 1981
Lembranças da Vinícola Mosele
Rua Tronca em 1958  

Tour pelos museus

Outra atração deste sábado, já com as 44 vagas preenchidas, é um tour pelos vários museus de Caxias. Compõem o roteiro o Museu da Uva e do Vinho Primo Slomp, em Forqueta, o Monumento Nacional ao Imigrante, o Memorial Atelier Zambelli, o Museu Ambiência Casa de Pedra, o Museu dos Ex-Combatentes da Força Expedicionária Brasileira e o próprio Museu Municipal. 

Leia mais:
Pioneiro 70 anos: Monumento ao Imigrante, muito mais do que um símbolo
140 anos de imigração italiana: a família Zanotti e o monumento
Monumento ao Imigrante, um símbolo oficial de Caxias
Monumento ao Imigrante e outros espaços que guardam a história de Caxias
Vinhos Raposa: um clássico da Mosele
Cooperativa Vinícola Caxiense em 1960
Cooperativa Vinícola São Victor nos anos 1950
Trajetória da família Zandomeneghi
Chaminés, as sobreviventes das alturas  
Vinícola Adega Pezzi em 1933
Estação Férrea em 1958 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros