Família de Batista Giovanni Facchin - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória29/08/2016 | 06h15Atualizada em 29/08/2016 | 15h14

Família de Batista Giovanni Facchin

Agricultor teve forte atuação na comunidade de São Marcos da Linha Feijó, interior de Caxias do Sul, nas primeiras décadas do século 20

Família de Batista Giovanni Facchin Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/divulgação
O patriarca Batista Giovanni Facchin e os filhos por volta de 1918, em São Marcos da Linha Feijó Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Imigrante italiano nascido na província de Belluno em 1860, Batista Giovanni Facchin teve forte atuação na comunidade de São Marcos da Linha Feijó nas primeiras décadas do século 20. Filho de Antonio e Teresa Facchin, o agricultor dedicou-se basicamente ao ramo da vitivinicultura, assim como boa parte dos moradores da localidade, entre eles as famílias Rossato, Rech, Fadanelli, Pedroni, Menegotto e Cavion.

O pioneirismo da família Rossato em São Marcos da Linha Feijó

Batista foi casado por duas vezes, e de suas segundas núpcias com Angela Facchin nasceram nove descendentes, todos na imagem acima. Na foto, datada de 1918, vemos Batista (sentado ao centro) com os filhos Antonio Facchin (à esquerda) e Benvenuto Facchin (à direita). Em pé, a partir da esquerda, estão as irmãs Amábile, Teresa, Itália, Ana, Adélia e Angelina. À direita, em pé, o filho mais novo, Romano Facchin. 

Já a antiga casa de pedra de Batista em São Marcos da Linha Feijó existe até hoje, e na fachada consta a inscrição "Facchin Battista - 1907", marcando a data da secular construção, conforme vemos nas imagens abaixo.

Batista Giovanni Facchin faleceu em 1946, aos 86 anos. Ele está sepultado no cemitério de São Marcos da Linha Feijó.

Leia mais:
Relíquias da imigração italiana: as cartas preservadas por Dirceu Rossato
Cartas de imigrante italiano inspiram exposição fotográfica em Caxias

Batista Giovanni Facchin no início da década de 1920 Foto: Giacomo Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Casa de pedra existe até hoje em São Marcos da Linha Feijó, no interior de Caxias do Sul Foto: Acervo pessoal de Neuza Facchin de Oliveira / divulgação
A inscrição em pedra na casa construída por Batista Giovanni Facchin em 1907 Foto: Acervo pessoal de Neuza Facchin de Oliveira / divulgação
Primórdios do século 20:  Batista Giovanni Facchin, a esposa Angela Facchin e os filhos (a partir da esquerda) Antonio, Benvenuto, Ana (bebê), Teresa, Itália e Amábile, por volta de 1900 Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
O casamento de Ermelinda e Benvenuto Facchin, filho de Batista Giovanni Facchin e irmão de Romano Facchin, no início dos anos 1920.  Foto: Giacomo Geremia,acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

O filho Romano Facchin

Romano Facchin, filho caçula de Batista, seguiu os passos do pai, atuando na viticultura e mantendo estreitas relações com a comunidade de São Marcos da Linha Feijó e a classe política de Caxias a partir dos anos 1930 - ele era funcionário da prefeitura e chefe dos trabalhadores que cuidavam das estradas da localidade.

Foi, inclusive, na propriedade rural de Romano, herdada do pai, que Getúlio Vargas almoçou e descansou durante a campanha presidencial pelo interior do Rio Grande do Sul, em 1950.

Getúlio Vargas visita a família Facchin em 1950

Leia mais:
Caxias recebe Getúlio Vargas em 1928
Festa da Uva 1954: Getúlio Vargas e o inseparável guardião Gregório Fortunato
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
A trajetória do fotógrafo Giovanni Battista Serafini

Em 1950: Getúlio Vargas visita a família de Romano Facchin (à direita de Getúlio, com terno escuro), em São Marcos da Linha Feijó,  Nelson Facchin (filho de Romano) é o segundo à esquerda. Marcelino Rossato, um dos vizinhos da família, é o segundo à direita, com o chapéu na mão. Foto: Studio Tomazoni Caxias,coleção de Dirceu e Marta Rossato / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Década de 1930: casal Olinda e Romano Facchin (à esquerda) foi padrinho de casamento de Augusto Rech e Maria Cavion Rech, em São Marcos da Linha Feijó Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

O casamento de Romano e Olinda

Em 1921, Romano Facchin casou com a também descendente de imigrantes italianos Olinda Mantese Facchin, moradora do antigo Travessão Santa Tereza, hoje bairro Nossa Senhora das Graças. Da união nasceram seis filhos: Elda, Vilma, Zeno, Nelson, Dilva e Neuza.

Romano e Olinda também foram padrinhos de casamento de Augusto Rech e Maria Cavion Rech, no início dos anos 1930, em São Marcos da Linha Feijó (foto acima). Eles aparecem a cavalo ao lado dos noivos, à esquerda.

Nas imagens abaixo, os jovens Romano e Olinda posam no lendário estúdio de Giacomo Geremia, por volta de 1920. 

Leia mais:
Libera Rizzo e a capela de Nossa Senhora das Graças
Nossa Senhora de Lourdes: uma gruta surge em 1943
Missões capuchinhas em São Gotardo em 1953

Romano Facchin por volta de 1920, em um registro feito no estúdio de Giacomo Geremia Foto: Giacomo Geremia,acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Olinda Mantese Facchin, esposa de Romano Facchin, por volta de 1920 Foto: Giacomo Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Lembranças 

Romano Facchin faleceu em 1970, aos 70 anos. Olinda Mantese Facchin, em 1985, aos 83 anos, conforme mostram os antigos santinhos guardados pela filha Neuza Facchin de Oliveira.

Doação ao Arquivo Histórico

As imagens desta página integram um lote de fotografias raras doadas recentemente ao Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami por Neuza Facchin de Oliveira, filha caçula de Romano e Olinda e neta de Batista Giovanni Facchin.

Confira outras publicações da coluna Memória

Acesse antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros