Primeira noite de MDBF contou com a clássica mistura de atrações, ecoando facetas do blues - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Música23/11/2018 | 03h52Atualizada em 25/11/2018 | 17h16

Primeira noite de MDBF contou com a clássica mistura de atrações, ecoando facetas do blues

Festival tem programação ainda nesta sexta e sábado, na Estação Férrea

Primeira noite de MDBF contou com a clássica mistura de atrações, ecoando facetas do blues Felipe Nyland/Agencia RBS
Britânico Ian Siegal fechou a noite no palco principal Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Por volta das 19h desta quinta, dia de abertura da 11ª edição do Mississippi Delta Blues Festival (MDBF), os sons que recebiam o primeiros visitantes na Estação Férrea já davam boa amostra de um dos papéis fundamentais do festival desde sua origem: abrir espaço tanto para o blues com assinatura local como para estrelas internacionais, que vivem o gênero musical em sua essência. Enquanto a voz empolgante de Rhaysa Santos (jovem talento caxiense à frente da banda Rhay's Soul Project) ecoava no palco Magnólia, os veteranos norte-americanos da Trash Panda Creek Band mostravam as raízes do blues/folk no Front Porch Stage. Encontro de gerações e de identidades distintas que ajudam a  formar a gênese super plural do festival. 

Outras multifacetas do mesmo gênero também puderam ser vistas no palco principal, batizado de Hopson Stage nesta edição. A abertura ficou por conta da prata da casa Elegance — formada por figuras tradicionais do festival como Tita Sachet e Rafa Gubert —, entoando clássicos internacionais em versões super classudas com pitadas de jazz/blues/soul (destaque para I've Had The Time of My Life, trilha do filme Dirty Dancing, hit bem inesperado num festival de blues). 

Já quando o mineiro Zé Pretim subiu ao palco, o blues ganhou cores mais brasileiras, com tonalidades que lembram a nossa zona rural e o trabalhador sertanejo. O grande trunfo do guitarrista e vocalista é reverberar no palco sua identidade brasileira misturada à paixão pelo blues: o que resulta em versões emocionadas de canções clássicas do nosso cancioneiro como Chico Mineiro (Tonico e Tinoco), Rio de Lágrimas (Tião Carreiro e Pardinho) e Um Violeiro Toca (Almir Sater). O caldeirão das referências de Zé Pretim se completa com Kleiton e Kledir (Paixão) e Tim Maia (Sossego), não sem passar por acordes de Bill Haley (Rock Around the Clock), Deep Purple (Smoke on the Water) e até Michael Jackson (Black or White).

Leia mais:
Indiano Aki Kumar traz o clima de Bollywood para o MDBF 2018, em Caxias do Sul
Aos 21 anos, Enzo Viero traz seu blues rural para o MDBF 2018
Shy Perry estreia no MDBF com seu blues "novo em folha"
Ian Siegal volta a Caxias com seu blues de pegada country
Pela primeira vez em Caxias, Trash Panda Creek Band fará seis apresentações no MDBF
11° MDBF começa nesta quinta-feira em Caxias

Já o blues do guitarrista Ian Sieagal, atração que encerrou o palco principal, trouxe compassos de mais longe. O britânico fez um show puxado para o country, com participação de músicos caxienses e de outros tradicionais participantes do festival, com o guitarrista Álamo Leal e o harmonicista Joe Marhofer (The Headcutters). As bandas de apoio formadas para acompanhar as estrelas internacionais do MDBF por aqui confirmam outro papel importante do festival, a troca musical que dá a quase todos os shows uma cara de jam session profissional. 

A noite de clima agradável e a possibilidade de ganhar um ingresso extra para a quinta-feira na compra do passaporte do festival (uma grande bola dentro desta edição) fizeram a movimentação na Estação Férrea ser maior se comparada às noites de abertura do MDBF de anos anteriores. O primeiro dia do festival também funciona como termômetro para sentir se as mudanças previstas para a edição vão agradar ou não. Entre novidades positivas de 2018 está o acréscimo de arquibancadas ao redor do Front Proch Stage — que, felizmente, sobreviveu à ameaça de ser extinto, no ano passado. As arquibancadas tendem a valorizar ainda mais as apresentações que rolam naquele espaço, tão querido por quem frequenta o festival. No caso da Trash Panda Creek Band, que fez dois shows nesse palco durante a quinta, só a presença de um baixo acústico, um banjo e um bandolim em sua formação já eram o suficiente para chamar atenção dos visitantes. 

Os show que fecharam a programação da Casinha na quinta tiveram um clima de família, contando com a presença do guitarrista americano Howl-N-Madd e de sua filha, a tecladista e vocalista Shy Perry. Quem acompanhou a apresentação teve uma prévia do que eles vão mostrar nos demais dias de festival — ela se apresenta nesta sexta, no palco Magnólia, enquanto ele é atração do sábado no palco principal. Além da dupla, o MDBF está cheio de boas pedidas musicais (locais e internacionais) até o sábado, isso sem contar as demais possibilidades presentes na Estação Férrea, que vão de uma volta na roda gigante a incursões virtuosas pelos workshops de música.

Leia também:
3por4: Designer de joias Fabiane Montemezzo mostra coleção Oh Céus em Caxias
3por4: Studio Camila Oliveira homenageia Aretha Franklin no MDBF 2018
Agenda: nova edição do projeto Música nas Paradas ocorre nesta quinta e sexta


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros