Marcos Kirst: a não-rotina de Charlotte - Cotidiano - Pioneiro

Opinião10/10/2016 | 08h31Atualizada em 10/10/2016 | 08h32

Marcos Kirst: a não-rotina de Charlotte

O encontro deu-se manhã dessas em que levei para a sala a bicicleta ergométrica

Por livre e espontânea iniciativa, eu jamais escolheria o filme "A Sogra" para dedicar quase duas horas de minha vida defronte à tela da tevê. Nada contra o tema indicado no título, uma vez que sou fã de minha sogra e tenho por ela o maior apreço. A questão é que o tempo é curto e, quando pinta a ocasião, costumo priorizar determinados filmes da lista que há muito desejo assistir e esse em questão não estava incluso. Mas a vida é feita de surpresas e "A Sogra", comédia leve norte-americana de 2005, tendo no elenco estrelas como Jennifer Lopez e Jane Fonda, revestiu-se em uma delas. Explico.

Leia mais
Frei Jaime Bettega: nunca diga 'desse pão não como e dessa água não bebo'
Tríssia Ordovás Sartori: vivemos como imortais e desencontrados
Nivaldo Pereira: o prisma do amor
Gilmar Marcílio: enquanto isso...
Francisco Michielin: os livros em pé de guerra

O inesperado encontro com o filme deu-se manhã dessas em que transportei para a sala a bicicleta ergométrica a fim de empilhar pedaladas que viessem a culminar no queimar das gordurinhas que andam se mancomunando ao redor de minha cintura com a sorrateira intenção de dar um golpe que derrube minha saúde e encurte o mandato de minha expectativa de vida. Ligo a televisão com a intenção de animar o exercício feito a quatro paredes e daí zapeio, já pedalando, para encontrar algum programa que anestesie a compreensão de que estou mesmo combatendo o sedentarismo que me define. Estacionei no filme que se iniciava, primeiro, por cansar de equilibrar perigosamente o controle-remoto em uma das mãos que deveria estar no guidão e, segundo, porque Jennifer Lopez está muito bela nesse (só nesse?) e achei que apreciar beleza enquanto pedalava seria um combustível a mais.

Lá pelas tantas, Charlotte, a personagem de Jennifer Lopez, sai-se com esta pérola: "a vida é curta demais para viver o mesmo dia duas vezes". A personagem procurava explicar ao futuro namorado a razão pela qual ela se dedicava a uma gama infinita de atividades a cada dia, ampliando seu espectro de interesses e fazendo de cada dia de sua vida uma experiência única. A partir daquele momento, abstraí da trama e me pus a refletir sobre o conceito com que o filme acabara de me brindar. De fato, a vida é curta e costumamos nos curvar à tendência de deixar a insossa rotina nos envolver e nos roubar a capacidade criativa de conferirmos sabores especiais aos nossos dias.

"Um dia por vez", já cantava John Lennon, em antítese ao cenário descrito por Chico Buarque com seu "todo dia ela faz tudo sempre igual...". Claro que falar é fácil. Vivemos a vida real, não somos personagens de uma comédia romântica. Mas também não custa nada procurarmos, às vezes, driblar rotina, dar uma pedalada na mesmice e agregarmos aos nossos dias alguns temperinhos especiais. Charlotte tem lá sua razão.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros