"Jamais imaginei que ele estivesse morto" diz irmã de adolescente que se afogou no Rio das Antas, em Flores da Cunha - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Luto16/10/2019 | 21h26Atualizada em 17/10/2019 | 07h11

"Jamais imaginei que ele estivesse morto" diz irmã de adolescente que se afogou no Rio das Antas, em Flores da Cunha

Morador de Caxias do Sul, Victor Garcia Maciel estava desaparecido desde domingo

"Jamais imaginei que ele estivesse morto" diz irmã de adolescente que se afogou no Rio das Antas, em Flores da Cunha Divulgação / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Segundo a irmã. Victor Garcia Maciel era uma pessoa alegre e que gostava muito de água, apesar de não saber nadar Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Justamente nesta quarta-feira (16), quando o corpo de Victor Garcia Maciel, 15, foi encontrado, sua irmã Camila Castilhos Garcia Vieira, 26, não participava das buscas. Desde que o adolescente sumiu nas águas do Rio das Antas enquanto pescava com a família, próximo à ponte entre Flores da Cunha e Antônio Prado, ela e outros familiares trabalharam incansavelmente junto ao Corpo de Bombeiros Militar para encontrá-lo.

O corpo foi localizado por volta das 17h30min, a poucos metros do local do desaparecimento, que tem profundidade de aproximadamente de 12 metros. Camila diz ainda não acreditar que seu irmão tenha sido encontrado morto.

Leia mais
Corpo de adolescente desaparecido no Rio das Antas, em Flores, é encontrado

— Hoje deu o azar de eu não ter ido. Jamais imaginei que ele estivesse morto, na minha cabeça ainda encontraríamos ele perdido nos matos ou em algum outro lugar. A ficha ainda não caiu — relata.

Camila conta que seu irmão costumava pescar e adorava água, apesar de não saber nadar. No dia do afogamento, ele estava com o padrasto e a mãe, Beatriz Garcia, 41, com quem morava, no bairro Santa Fé. Segundo Camila, desde domingo Beatriz está em estado de choque.

Maciel estava pescando na companhia do padrasto e da mãe no dia em que desapareceu nas águas do Rio das AntasFoto: Divulgação / Arquivo Pessoal

Estudante do 9º ano na Escola Dolaimes Stédile Angeli, Maciel não compartilhava com a irmã mais próxima planos para o futuro, mas ajudava Camila em tudo que precisasse.

— Onde eu ia ele estava comigo, ajudando. Era alegre, sorridente e contagiava todo mundo por onde passava.

Como foram as buscas

Ainda na tarde de domingo os bombeiros de Flores da Cunha deram início às buscas. De acordo com o tenente-coronel Julimar Fortes Pinheiro, responsável pelo 5º Batalhão de Bombeiros Militar (5º BPM) a operação teve continuidade ao longo dos dias posteriores, sendo interrompidas somente durante a noite.

Leia mais
Família de adolescente desaparecido no Rio Antas, em Flores da Cunha, pede ajuda de mergulhadores nas buscas 
Buscas por adolescente desaparecido no Rio das Antas serão retomadas nesta segunda-feira
Adolescente desaparecido no Rio das Antas, em Flores, estava pescando com familiares
Bombeiros de Flores da Cunha realizam buscas para encontrar adolescente desaparecido no Rio das Antas   

A família chegou a manifestar seu descontentamento em relação ao empenho dos bombeiros, sobretudo por não terem enviado mergulhadores para auxiliarem nas buscas. O tenente-coronel  reforçou nesta quarta-feira que o emprego tático de mergulhadores não era recomendável por questões técnicas.

— Qualquer correnteza que extrapole a velocidade de 5km/h pode representar risco para o mergulhador. Além disso, as águas do rio estavam muito turvas e a busca submersa não nos levaria a nada. Sabemos do momento difícil mas nosso serviço foi feito da melhor maneira possível.

Na tarde de ontem, seis militares de Caxias do Sul, Flores da Cunha, Vacaria e São Marcos, divididos em duas embarcações, realizavam as buscas com apoio de um grupo de 40 pessoas formado por amigos e familiares do adolescente.

William Cabral, 29, professor de capoeira de Maciel, diz ter sido o primeiro a ver quando o corpo do adolescente submergiu. Ele participava das buscas desde segunda-feira e diz ter saltado na água no momento em que avistou o corpo.

— Reconheci pelo corte de cabelo. Ele estava uns 30 metros pra dentro do rio, a primeira coisa que me veio à cabeça foi me jogar na água. Consegui chegar a quase 12 metros dele, mas a correnteza estava muito forte. Nisso as pessoas já tinham informado os bombeiros, então eles desceram com o bote e conseguiram resgatar mais adiante — relata o professor.

Leia também
Reformas em jazigos dos cemitérios municipais podem ser feitas até domingo em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros