Na Atiliano Pinguelo, moradores precisam sair para obra começar - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Rede municipal09/04/2019 | 09h06Atualizada em 09/04/2019 | 11h46

Na Atiliano Pinguelo, moradores precisam sair para obra começar

A reportagem visitou cinco estabelecimentos que atendem a 2.132 alunos e constatou problemas como rachaduras, infiltrações, pisos danificados e redes elétricas deficitárias

Na Atiliano Pinguelo, moradores precisam sair para obra começar Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Oito famílias que ocuparam parte do terreno da escola precisam ser realocadas para que o muro que cedeu seja reconstruído Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Em maio completará dois anos que o refeitório e a cozinha da EMEF Atiliano Pinguelo, no bairro Diamantino, estão interditados por causa de rachaduras. Parte aberta e parte coberta do pátio também foram isoladas. O problema, como na Abramo Pezzi, tem relação com a drenagem da água da chuva. Só que, desta vez, o muro dos fundos do terreno cedeu e corre o risco de cair. Junto a ele, ficava o parquinho das crianças, pequenas mesas e bancos. Os equipamentos foram realocados em outros espaços e os locais foram isolados com tapumes. As placas de madeira se tornaram enormes painéis de pintura que com a criatividade das crianças se encheram de flores e borboletas.

Leia mais
Na Abramo Pezzi, em Caxias, obra esperada há quatro anos iniciou e parou
Renato João Cesa tem potes para goteiras em toda a escola
Laurindo Luiz Formolo tem latas cobrindo buracos nas paredes e no assoalho
A Dezenove de Abril faz reformas por conta própria 

Armários que continham materiais foram dispostos no corredor, que também se transformou em refeitório improvisado. Por oito meses, o almoço foi substituído por lanches preparados na secretaria. Depois, o município passou a fazer o transporte dos alimentos prontos até a escola. Mas ainda era preciso um local para servir às crianças. Então, longas mesas estreitas foram afixadas na parede do corredor e bancos onde os estudantes pudessem sentar para fazer as refeições. Se, por um lado, o isolamento das áreas de risco afastou das crianças o perigo da queda de barreira, o improviso acabou criando outro: é no corredor que fica a bancada de bifê, que contem água quente.

A diretora conta que solicitou à secretaria a construção ou liberação para erguer uma peça que serviria de cozinha, mas o pedido foi negado por se tratar de prédio público. Então, uma peça de madeira foi feita com a verba da autonomia da escola (R$ 21 mil por ano) mesmo sem autorização.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 02/04/2019 - Mostramos a precariedade estrutural de algumas escolas municipais de Caxias do Sul que reivindicam por melhorias, reformas ou novos prédios. NA FOTO: EMEF Atiliano Pinguelo, bairro Diamantino, está com refeitório interditado e tapumes para isolar muro que pode cair. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Parte dos fundos da escola, onde muro corre risco de cair, foi isolada com tapumes que viraram painéis nas mãos dos alunosFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

– Os engenheiros disseram que este prédio (do refeitório) está condenado. Não adianta mexer. Tem que demolir e construir de novo – comentou a diretora Glaucia Helena Gomes.

A escola, que atende a 142 alunos da Educação Infantil ao 5º ano dos bairros De Zorzi e Campos da Serra, até estava entre as prioritárias da Secretaria Municipal de Educação (Smed) para reforma, mas esbarrou em um entrave. Uma faixa de terra que pertence à escola foi ocupada e, agora, as oito famílias de moradores têm de ser realocadas para permitir o acesso de máquinas ao local onde fica o muro da escola.

Além de recompor a estrutura interditada, é preciso um banheiro adaptado, que não existe no local e para o qual a direção também teve pedido de autorização para construção negado.

O que diz a prefeitura:

A Smed terá um encontro com a Secretaria de Habitação nesta semana, uma vez que o início da obra (seja reforma, reparo ou construção de prédio novo) depende da realocação dos moradores. A área pública é maior do que a área da escola. O muro de contenção está prejudicado devido à sobrecarga causada pelas casas no terreno em frente à instituição (sete casas em área invadida). A realocação seria, então, para outra região. A intenção é intervir no muro e no refeitório.

Leia também
Alunos, professores e servidores de escolas municipais de Caxias convivem com rachaduras, infiltrações e problemas elétricos
Prefeitura de Caxias encaminha projeto para regulamentar serviços funerários
Tabela que reduziu salários de profissionais de entidades não será alterada em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros