Laurindo Luiz Formolo tem latas cobrindo buracos nas paredes e no assoalho - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Rede municipal09/04/2019 | 09h05Atualizada em 09/04/2019 | 11h43

Laurindo Luiz Formolo tem latas cobrindo buracos nas paredes e no assoalho

A reportagem visitou cinco estabelecimentos que atendem a 2.132 alunos e constatou problemas como rachaduras, infiltrações, pisos danificados e redes elétricas deficitárias

Laurindo Luiz Formolo tem latas cobrindo buracos nas paredes e no assoalho Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Na sala de aula que abriga estudantes do 8º ano, pela manhã, e do 3º ano à tarde, as placas estão espalhadas pelo chão Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

De longe é quase imperceptível, mas basta aproximar da fachada da EMEF Laurindo Luiz Formolo, no bairro São Ciro, para perceber as placas de lata que recobrem a parede. Isso se repete no interior do prédio, corredor e salas. Não se trata de um projeto arquitetônico diferente ou inovador, não. As placas foram colocadas para remendar a estrutura quando os buracos começaram a aparecer anos atrás.

Leia mais
Na Abramo Pezzi, em Caxias, obra esperada há quatro anos iniciou e parou
Na Atiliano Pinguelo, moradores precisam sair para obra começar
Renato João Cesa tem potes para goteiras em toda a escola
A Dezenove de Abril faz reformas por conta própria

Na sala de aula que abriga estudantes do 8º ano pela manhã e do 3º ano à tarde, as placas estão espalhadas pelo chão. É que ali, em diversos pontos, o assoalho de madeira cedeu. Aliás, o assoalho é um dos pontos críticos da escola que atende a 390 alunos, da Educação Infantil ao 9º ano. Na sala de atividades, ele é conhecido como piso flutuante, porque ao cruzar por ele, as tábuas se movimentam a cada pisada. Em outras áreas, como os pátios internos, a direção utilizou parte da verba da autonomia escolar para colocar piso frio. Isso também foi feito nos banheiros que ganharam reforma geral.

Mas, os problemas não estão só no chão. Ao voltar o olhar para cima, lá está o forro caindo. Na biblioteca, onde há diversas mesas em que as crianças poderiam aproveitar o acervo de 16 mil livros, a servidora diz que não se atreve a ligar o ventilador de teto, com medo que o forro desabe sobre as cabeças. A causa foram as infiltrações. Para resolver, de forma paliativa, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) colocou uma manta asfáltica sobre o telhado. No beiral da fachada também é possível ver os sinais de apodrecimento.

– A escola inteira tem risco. As partes mais perigosas vamos arrumando. Quando chove, ficamos apreensivos sim – conta a diretora Jaciara Viesser Bosi, se referindo ao telhado.

Segundo a gestora, o madeiramento está todo comprometido. Para o conserto seria necessário R$ 200 mil.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 02/04/2019 - Mostramos a precariedade estrutural de algumas escolas municipais de Caxias do Sul que reivindicam por melhorias, reformas ou novos prédios. NA FOTO: EMEF Laurindo Luiz Formolo, no bairro São Ciro, tem forros e instalação elétrica comprometida, salas de aula com latinhas tapando buracos do chão e remendos em boa parte do prédio. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Placas também foram dispostas na fachada do prédio da escola para encobrir buracosFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

– Claro que temos que manter (o prédio), mas chega um momento em que ficamos só tapando buracos. Não tenho mais o que fazer. Não posso colocar uma lata na escola de cima até embaixo. Toda a estrutura está comprometida – completa a diretora.

Atuando na escola há 26 anos, Jaciara conta que há pelo menos 12, aguarda o começo da construção de um novo prédio que deve ficar no mesmo terreno. Para ela, os problemas seriam resolvidos mais facilmente se os estabelecimentos pudessem fazer obras maiores do que apenas reparos.

O que diz a prefeitura:

Há previsão de construção de um novo prédio. O processo está em análise de demanda, documento necessário para a elaboração do projeto, que será feito depois disso. O projeto deve começar a ser desenvolvido nesta semana, numa estimativa de investimento de R$ 2,5 milhões. A previsão de licitação é para o segundo semestre de 2019. Pequenas reformas não devem ser feitas por enquanto, uma vez que o financeiro não tem como justificar a destinação de valores sendo que a construção custará um montante considerável ao município.

A etapa atual, de análise, consiste em um levantamento técnico da área de intervenção e das necessidades do educandário, abrangendo número de estudantes da escola, situação da região com relação à necessidade de vagas e de atendimento pleno à legislação.

Leia também
Alunos, professores e servidores de escolas municipais de Caxias convivem com rachaduras, infiltrações e problemas elétricos
Prefeitura de Caxias encaminha projeto para regulamentar serviços funerários
Tabela que reduziu salários de profissionais de entidades não será alterada em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros