Após protesto de motoristas, Uber diz que não concorda com a legislação de Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Transporte18/05/2018 | 14h03Atualizada em 18/05/2018 | 14h07

Após protesto de motoristas, Uber diz que não concorda com a legislação de Caxias do Sul

Novamente, empresa se manifestou por nota afirmando que lei municipal inviabiliza o serviço

Após protesto de motoristas, Uber diz que não concorda com a legislação de Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Após motoristas da Uber ocuparem a Câmara de Vereadores e protestarem em frente ao Centro Administrativo de Caxias nesta quinta-feira contra multas aplicadas a alguns condutores pela prefeitura, a empresa se manifestou por nota sobre a legislação municipal.

Leia mais
Após nove colegas serem multados, motoristas do Uber bloqueiam rua da prefeitura em Caxias
Motoristas do Uber ocupam a Câmara de Vereadores para reclamar de multas, em Caxias
Uber não se cadastra e motoristas podem ser multados a partir de quinta em Caxias 

Novamente, a Uber critica a lei sancionada no início do ano, considerada restritiva e inconstitucional. A companhia também diz que "não concorda com as sanções impostas" aos motoristas na cidade.

A Uber não se cadastrou junto à Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMTTM), requerimento necessário para que os motoristas possam operar legalmente na cidade. 

Confira a nota na íntegra:

Os motoristas parceiros da Uber prestam o serviço de transporte remunerado privado individual de passageiros, que tem respaldo na Constituição, é previsto na Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei Federal 12.587/12) e foi recentemente regulamentado em âmbito nacional pela Lei Federal 13.640/18. Durante a discussão da nova lei no Congresso, foram afastadas restrições que inviabilizariam o modelo - por exemplo, limitação de placas por município ou a necessidade de autorização prévia para o exercício da atividade pelos motoristas. Nesse sentido, a Uber não concorda com as sanções impostas em Caxias do Sul. Os motoristas parceiros da Uber precisam ter seu direito constitucional de trabalhar (exercício da livre iniciativa e liberdade do exercício profissional) e gerar renda assegurados.

A legislação de Caxias do Sul extrapolou a regulamentação do transporte individual privado e busca ditar a forma como a tecnologia das empresas deve funcionar - o que é flagrantemente inconstitucional. A Lei Federal estabeleceu competência dos municípios para regulamentar o serviço, mas não a tecnologia dos aplicativos ou o modelo de negócio das empresas do setor. A lei de Caxias do Sul contém uma série de restrições à atividade dos motoristas parceiros de aplicativos na cidade. São regras que criam burocracias baseadas em modelos ultrapassados, que ignoram garantias constitucionais como a livre iniciativa e desconsideram os avanços da tecnologia ao impor limites artificiais. A legislação ainda tem clara inspiração e semelhança com a lei 12.162/16 de Porto Alegre, que o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul suspendeu por considerá-la inconstitucional e caracterizar "ingerência indevida do Poder Público sobre a atividade econômica privada". Essa lei, inclusive, acabou de ser reformada pelos vereadores da Capital com a aprovação de um novo projeto de lei.

Leia também
Especialista sugere a realização de mutirões para diminuir fila para cirurgias em Caxias
Saiba quais são os caminhos para tornar o patrimônio histórico de Antônio Prado rentável

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros