Presidente do Caxias afirma que "concorda com o torcedor, mas pensa na instituição" - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Gauchão sem rebaixamento15/05/2020 | 15h30Atualizada em 15/05/2020 | 15h30

Presidente do Caxias afirma que "concorda com o torcedor, mas pensa na instituição"

Grenás não gostaram da definição dos clubes para sequência do Campeonato Gaúcho deste ano

Presidente do Caxias afirma que "concorda com o torcedor, mas pensa na instituição" Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

As definições da reunião da Federação Gaúcha de Futebol (FGF) com os clubes do Campeonato Gaúcho ainda repercutem. A principal contestação de torcedores de vários clubes - principalmente daqueles da parte de cima da tabela - está no fato de, neste ano, não ter rebaixamento. Isso foi acordado por unanimidade entre os 12 presidentes das equipes do Gauchão.

Leia Mais
FGF acerta com laboratório realização de testes da covid-19 para clubes do interior
Intervalo: a chatice humana é potencializada no futebol

Torcedores do Caxias se manifestaram nas redes sociais e não gostaram da eliminação do rebaixamento nesta temporada, possivelmente pelo fato do maior rival, o Juventude, estar próximo da zona de descenso quando a competição foi paralisada. 

- O Caxias entende que é o maior prejudicado, eu tenho esse entendimento. Não é o que a torcida gostaria, esse resultado de não haver rebaixamento. Eu entendo, mas o presidente não pode pensar como torcedor. Temos que pensar na instituição e pesa o lado financeiro. Nossas atitudes têm que priorizar a instituição - disse o presidente do Caxias, Paulo Cesar Santos, que ainda afirmou concordar com o torcedor, mas pensa no clube:

-  Sobre o desconforto de muitos torcedores que reclamaram, eu particularmente concordo com eles, mas o principal objetivo é a manutenção do clube e temos que pensar que o lado financeiro para 2021 pesa nessa hora. Em 2020, se não cumprirmos com o Gauchão até o final, os 12 clubes terão que devolver ou receber menos valores da cota do ano que vem.

O Caxias entende que toda essa paralisação foi prejudicial para o clube. Tanto pelo fator financeiro, quanto pela questão técnica. O time conquistou a Taça Ewaldo Poeta e está garantido na decisão da competição. A parada do futebol diminuiu as receitas do clube, adiou a final e quando o campeonato retornar terá desequilíbrio técnico.

- O Caxias vinha numa crescente muito grande, foi campeão do primeiro turno e essa parada foi muito prejudicial. Essa abertura de novas inscrições, isso causa desequilíbrio técnico do campeonato, mas temos que ajudar a Federação para concluir o Gauchão e não termos mais perdas ainda - analisou o presidente, que finalizou:

- A instituição é maior que nossos desejos neste momento. Tem que ceder e nos adaptar, porque todos estão passando dificuldade e não podemos criar mais dificuldade ainda num momento tão complicado. O presidente não pode pensar como torcedor neste momento. Eu concordo com a revolta do torcedor, se tivesse pensando como torcedor, também estaria revoltado.

Leia Também
Gramado lança campanha para arrecadação de aquecedores a famílias carentes

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros