Tríssia Ordovás Sartori: Nossas idiossincrasias  - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião06/04/2018 | 16h58Atualizada em 06/04/2018 | 16h58

Tríssia Ordovás Sartori: Nossas idiossincrasias 

A polarização expressa nas redes sociais vem se tornando cada vez mais a forma como encaramos o mundo: uma chatice sem tamanho

Tríssia Ordovás Sartori: Nossas idiossincrasias  /
Tríssia Ordovás Sartori
Tríssia Ordovás Sartori

trissia.ordovas@pioneiro.com

Acho lindo aqueles Gre-Nais com torcida mista, em que namorados – um com camisa do Grêmio, outro do Inter – compartilham um momento, que é absurdamente passional, de forma completamente pacífica. 

Talvez a paixão suscitada pelo futebol seja uma das mais ardentes e irracionais e, mesmo nesse contexto, torcedores em lados opostos conseguem exercitar a resiliência, compactuam com crenças que não são as suas. Cito o exemplo da Capital, porque ainda não temos iniciativa similar em Caxias, apenas por isso.

E pode até parecer um exemplo bobo, mas dada a situação de intolerância que atravessamos nos últimos tempos, ela é emblemática. Já pensaram eleitores do Lula e do Bolsonaro juntinhos, cada qual com sua bandeira, abraçados e ouvindo argumentos um do outro? Sei, agora fui longe demais, arrisquei pular logo para o extremo – só para causar desconforto e passar ao momento central da reflexão.

É muito difícil convivermos e aceitarmos pessoas diferentes à nossa volta. Já é difícil quando são pessoas que gostamos e respeitamos. Ser empático é uma tarefa árdua, até com aqueles que escolhemos.

Imagina fazer isso com alguém que só está de passagem – sabe-se lá por que – pela nossa timeline. Não há tempo/espaço para a tolerância. 

A polarização expressa nas redes sociais vem se tornando cada vez mais a forma como encaramos o mundo: uma chatice sem tamanho. Ou alguém pensa como a gente, ou pensa errado. E a situação ainda tem agravantes. Para provar que uma posição está correta, o caminho mais fácil é desconstruir a posição oposta, aí existirá apenas uma via possível.

Se não fôssemos cheios de meandros e idiossincrasias, seria importante firmar posições definitivas em quase tudo – esporte, política e religião até podem ser imutáveis aos olhos de muitos –, mas se não pararmos para tentar ouvir o outro lado vai ficar cada vez mais difícil o já difícil ato de conviver em sociedade.  

Comecemos por quem gostamos, então.

 Leia Também:
Confira a programação cultural deste final de semana na serra
Casal da Serra que está dando a volta ao mundo desde 2016 fala da viagem
Conheça Tauana Stieve, representante de Caxias do Sul na final do Miss Rio Grande do Sul 2018
"A receita infalível para criar um imbecil é mimá-lo", diz Leandro Karnal em passagem por Garibaldi
Próspera e (ainda) atrativa: relembre a passagem de caxienses pelo Balneário de Camboriú, em Santa Catarina
Conheça o morador de Caxias do Sul que participou das eliminatórias do MasterChef Brasil 2018
Humberto Gessinger mistura novidades com clássicos dos Engenheiros do Hawaii neste sábado, em Garibaldi

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros