Câmara de Farroupilha aguarda para esta quarta-feira definição de data para depoimento do prefeito - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Impeachment22/04/2020 | 13h07Atualizada em 22/04/2020 | 13h14

Câmara de Farroupilha aguarda para esta quarta-feira definição de data para depoimento do prefeito

Claiton Gonçalves tem três alternativas para escolher já que não compareceu em duas tentativas recentes

Câmara de Farroupilha aguarda para esta quarta-feira definição de data para depoimento do prefeito Antonio Valiente/Agencia RBS
Comissão analisa a abertura de crédito suplementar para a compra de quatro terrenos para a Secretaria da Saúde Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Uma das comissões processantes que analisa irregularidades possivelmente cometidas na gestão do prefeito de Farroupilha, Claiton Gonçalves (PDT), aguarda para a tarde desta quarta-feira (22) uma resposta do chefe do executivo. Os vereadores apresentaram três alternativas a Claiton, após ele não comparecer à audiência marcada para segunda-feira (20). As opções são os dias 27, 28 e 29 deste mês. No último dia 16, ele também não foi ao encontro marcado. O prazo de Claiton é até às 17h desta quarta-feira.

Nesta semana, o prefeito embarcou para Brasília no mesmo dia em que a comissão o aguardava. Conforme o presidente da comissão, vereador Fabiano Piccoli (PSB), ele retorna apenas na sexta-feira (24) a Farroupilha, de acordo com comunicado enviado à Câmara. Na semana passada, foi apresentado um atestado odontológico do advogado dele, Antônio Augusto Mayer dos Santos, o que também impediu a presença do prefeito aos trabalhos da Casa.

— Se não responder, seguiremos o processo que é notificar ele (prefeito) para fazer as alegações finais, e ele terá cinco dias para apresentar — diz Piccoli.

Leia mais
Prefeito de Farroupilha vai a Brasília e deixa de depor pela terceira vez em comissão sobre o impeachment
Atestado odontológico impede depoimento do prefeito de Farroupilha em comissão que analisa irregularidades

Se a comissão não concluir os atos em 90 dias a partir da intimação, que ocorreu em 26 de fevereiro, o processo é anulado automaticamente. Neste caso, a comissão analisa a abertura de crédito suplementar para a compra de quatro terrenos para a Secretaria da Saúde. A denúncia aponta que o valor aumentou de R$ 10 mil para R$ 890 mil. A compra também não teve autorização do poder Legislativo.

Procurado pela reportagem, o prefeito afirmou, por meio de sua assessoria, que questiona o fato da Câmara querer avançar o processo durante o momento de contágio por coronavírus no mundo. 

— Não vou discutir o mérito, mas tentar arrancar um médico prefeito durante uma pandemia não me parece o ideal — disse.

Leia também
Corpo de homem que se afogou em rio de Campestre da Serra é localizado
Academias reabrem em Caxias do Sul com restrições no atendimento e medidas de prevenção ao coronavírus

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros