Trio irá a júri por assassinato de idoso em bar de Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Homicídio15/01/2020 | 16h42Atualizada em 15/01/2020 | 16h47

Trio irá a júri por assassinato de idoso em bar de Caxias do Sul

Execução teria sido motivada por rivalidade entre grupos que disputam a venda de drogas

Trio irá a júri por assassinato de idoso em bar de Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
Este será o primeiro júri de Caxias do Sul em 2020 Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Quase dois anos após o crime, o Tribunal do Júri de Caxias do Sul julgará três acusados do assassinato de José Vilson Maria de Lima, 65 anos. O idoso foi executado a tiros dentro do Zumbicos Bar, no bairro Primeiro de Maio, no dia 15 de março de 2018. O plenário está marcado para as 9h30min desta quinta-feira (16). Os réus são Eduardo Alan Borges, Jordi Pereira Mesquita e Gabriel Anacleto da Silva. O trio foi preso em flagrante pela Brigada Militar (BM) horas após a execução.

Leia mais
Trio suspeito de homicídio é preso em Caxias do Sul

Conforme denúncia do Ministério Público, o crime foi decorrente da rivalidade entre grupos criminosos que disputam espaço para venda de drogas. Os assassinos utilizaram um Chevete branco, conduzido por Mesquita, para ir até a Rua Rômulo Carbone. Ainda segundo a Promotoria, o crime foi premeditado por Silva, que foi junto até o bar, mas os tiros foram efetuados por Borges.

O alvo era Lima, que estava sentado no bar e foi atingido por quatro disparos de arma de fogo no tórax. No momento do ataque, a vítima conversava com um homem, que também foi ferido pelos disparos, mas sobreviveu.

Após o crime, policiais militares realizaram buscas pelo Chevette branco amassado na lateral, conforme relato de testemunhas. Borges e Silva foram abordados e presos no bairro Planalto. Eles portavam um revólver. Os suspeitos conduziram os PMs até onde estava o Chevette, local em que Mesquita também foi preso.

O réus são acusados por homicídio e tentativa de homicídio, ambos crimes qualificados por motivo torpe e com recurso que dificultou a defesa da vítima. Os três serão representados pelo defensor público Cláudio Covatti, que prefere se manifestar somente após o julgamento.

Leia também
Após perseguição e troca de tiros, BM procura por assaltantes no interior de Flores da Cunha
Perdas chegam a quase R$ 150 milhões em municípios da Serra que sofrem com estiagem 
Motorista embriagado na contramão quase colide com o carro da polícia e é preso em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros