Bombeiros retomam buscas a homens desaparecidos em Vacaria - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Investigação11/04/2018 | 08h41Atualizada em 11/04/2018 | 09h35

Bombeiros retomam buscas a homens desaparecidos em Vacaria

Área de grande profundidade constitui desafio para equipes de resgate

Bombeiros retomam buscas a homens desaparecidos em Vacaria Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Os bombeiros e a Polícia Civil de Vacaria retomam, na manhã desta quarta-feira (11), as buscas aos três homens desaparecidos na localidade de Capela do Caravaggio, no interior do município. Eleandro Aparecido Rodrigues Moraes, 40 anos, Alexsandro do Amaral Correa, 23, e Nelson Jair Soares, 44 anos, todos moradores de Caxias do Sul, foram vistos pela última vez no dia 3 de março.

Leia mais
Três moradores de Caxias estão desaparecidos no interior de Vacaria
Polícia encontra barco que teria sido usado por caxienses desaparecidos em Vacaria
Polícia suspeita que trio desaparecido em Vacaria tenha se afogado no Rio Pelotas
Polícia e bombeiros retomarão, nesta segunda-feira, buscas a desaparecidos em Vacaria
Identificados homens desaparecidos em propriedade rural de Vacaria
"Estamos com muita esperança de que ele vai aparecer", diz mulher de um dos desaparecidos em Vacaria 
Polícia deve manter busca por desaparecidos em Vacaria por mais uma semana 

Desde o início das investigações, a polícia trabalha com a hipótese de que os homens tenham se afogado no Rio Pelotas. De acordo com José Beck, sargento do Corpo de Bombeiros de Vacaria, as buscas devem ser centradas na superfície do rio e arredores, já que as características da área dificultam o mergulho.

— A água ali chega a uma profundeza de 80, 90 metros na parte mais funda, com muitos galhos. Então a busca está sendo pela superfície — explica. 

Três bombeiros participam das buscas nesta manhã. Eles utilizam um bote inflável para o trabalho. Além disso, um helicóptero da Polícia Civil voltará ao local para apoio, conforme o delegado Anderson Silveira de Lima. Ele também cita as peculiaridades da área, que é de difícil acesso, como razão para prosseguir com os trabalhos, que já duram sete dias.

— O lugar é peculiar, não é um rio comum, tem uma represa mais para a frente e, conforme a profundidade vai aumentando, vai baixando a temperatura da água — justifica.

De acordo com ele, a polícia também trabalha com outras possibilidades além do afogamento dos desaparecidos, mas não há evidências para apoiá-las. As buscas no rio devem seguir pelo menos até o fim de semana.

Leia também
Criminosos rendem família em casa e roubam veículo no bairro Kayser, em Caxias
Mulher é morta a facadas em Farroupilha

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros