Psicóloga aponta que uso de fogo contra mulheres em Vacaria é retrocesso moral - Polícia - Pioneiro

Versão mobile

 

Violência13/01/2018 | 07h10Atualizada em 14/01/2018 | 20h12

Psicóloga aponta que uso de fogo contra mulheres em Vacaria é retrocesso moral

Em um ano, quatro vítimas de violência doméstica na cidade tiveram o corpo queimado 

Psicóloga aponta que uso de fogo contra mulheres em Vacaria é retrocesso moral Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

>> LEIA TAMBÉM: Marcadas pelo fogo: em um ano, quatro mulheres vítimas da violência tiveram corpos queimados em Vacaria

Para a psicóloga Marta Kramer Silveira, especialista em psicoterapia psicanalítica, o fogo, método que vem sendo utilizado pelos homens para agredir as mulheres em Vacaria, vai além da questão de gênero. Está relacionado a vontade de extirpar o outro. 

— O fogo é um meio primitivo. Estamos vivendo um período em que está prevalecendo o primitivismo. Não estamos evoluindo. Ao contrário, moralmente estamos retrocedendo. O pensamento é: eu extingo, elimino, deixo em cinzas o que me causa desprazer — analisa.

Conforme a especialista, as pessoas, de um modo geral, entendem que não existe relação ideal e se adaptam a isto. Nesses casos, não há adaptação, os agressores estabelecem uma relação de poder que ou a pessoa faz o que eles querem ou são eliminadas. Para Marta, esse comportamento vai além da relação com as mulheres. Possivelmente, é adotado na convivência com outras pessoas e nas relações de trabalho também.

— O estopim pode ser o álcool ou as drogas, mas não a causa original. É uma questão de estrutura psíquica — pondera.

Leia mais:
Mulher morre após ter corpo queimado em Vacaria
Grávida de oito meses tem corpo queimado em Vacaria
Homem ateia fogo à companheira de 18 anos em Vacaria

Marta trabalha no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) que, atualmente, presta atendimento psicológico a mulheres vítimas de violência na cidade. Porém, nenhuma das vítimas desses casos chegou a ser atendida no local. É que em alguns dos casos havia histórico de violência ou ameaça, mas nenhuma das mulheres tinha feito registro ou procurado ajuda antes dos crimes ocorrerem.

Ainda, conforme a psicóloga, a vítima também tem papel importante nessa relação.

— A vítima sempre tem a esperança de que seja diferente. E nesses casos, a esperança é ruim. Associado a isso tem a busca da vítima por tentar mudar o outro. É um poder mascarado. De ambos os lados têm uma relação de vaidade que leva ao limite da morte — opina a psicóloga.

Promotora diz que culpar-se faz parte do ciclo da violência doméstica

Já a promotora de Justiça, Bianca Acioly de Araújo, explica que ao analisar os casos de violência doméstica, a vitimologia e a estudar o ciclo da violência, se percebe que nos primeiros atos, de agressão psicológica, a mulher se revolta e vive um choque em relação à cultura estabelecida de que o casamento tem de ser duradouro e de que a relação tem de ser ideal.

— Ela passa a não contar para as outras pessoas que aquela ideia de relacionamento perfeito se frustrou. Depois de um ato de violência física, mais grave, vem a reconciliação e a mulher acaba buscando, para justificar isso, algo no seu comportamento que possa ter dado origem à agressão do homem. Ela se culpa, traz para ela essa competência — explica a promotora.

Daí o motivo pelo qual, segundo a promotora, a Lei Maria da Penha veio determinar que os casos de violência contra a mulher só possam ser retratados na fase judicial. Para que a vítima, por pressão, medo ou coação, não volte atrás e retire a queixa na fase policial. O processo passa a tramitar independente da vontade da mulher. 

Leia também:
Projeto de ampliação das perícias em Caxias do Sul esbarra na falta de servidores
Dois homens são executados no bairro Cristo Redentor, em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros