Tráfico de drogas e facções elevam índices de crimes contra a vida em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

103 mortes pela violência07/11/2017 | 11h47Atualizada em 07/11/2017 | 13h58

Tráfico de drogas e facções elevam índices de crimes contra a vida em Caxias do Sul

Números de assassinatos evidenciam três momentos distintos da violência na cidade

Tráfico de drogas e facções elevam índices de crimes contra a vida em Caxias do Sul Kamila Mendes/Agencia RBS
Duplo homicídio com incêndio no Cânyon remete a guerra de facções na Zona Norte Foto: Kamila Mendes / Agencia RBS

Pela 10ª vez nos últimos 12 anos, Caxias do Sul ultrapassou a triste marca de 100 assassinatos. A estatística foi alcançada em um dos finais de semana mais violentos de 2017 – foram cinco assassinatos em menos de 48 horas. O número foi elevado na tarde de segunda-feira, com a morte de Isabella Theodoro Martins, de apenas oito meses.

Com relação aos 103 assassinatos, as autoridades policiais repetem que a maioria dos crimes é motivada pela disputa de territórios para o tráfico de drogas. A violência deste ano pode ser divida  em três momentos.

Leia mais
Cerco à facção que dominava tráfico em Caxias do Sul é explicação para redução de homicídios
Após assassinatos, Brigada Militar de Caxias reforça ações na Zona Norte
Ataque no bairro Santa Fé, em Caxias, teria mãe de presidiário como alvo
Relembre quais foram as causas do aumento dos homicídios em 2016

Janeiro e fevereiro mantiveram a sequência de 2016 – ano mais violento da história de Caxias, com 150 crimes contra a vida – e registraram 26 assassinatos. Em março, a criminalidade recuou diante da Operação Fratelli, da Polícia Civil, que identificou uma facção que dominava o tráfico de drogas em diversos bairros da cidade. Vinte e nove pessoas foram indiciadas por organização criminosa, sendo que 13 líderes foram transferidos para presídios de outras regiões. Diante do cerco ao grupo criminoso, 14 crimes contra a vida foram registrados na cidade entre março e maio. Os números remetiam à violência do início dos anos 2000, quando a média era de cinco assassinatos por mês.

Em junho, contudo, a chegada de uma segunda facção à cidade retomou os índices de violência e tornou os crimes ainda mais bárbaros. Apesar dos membros deste novo grupo criminoso serem da Serra, o nome utilizado é o de um conhecido grupo da Região Metropolitana. O armamento que possuem (vídeos nas redes sociais apresentam duas submetralhadoras) e a estratégia agressiva de ataque levam a crer que o grupo serrano seja uma ramificação do bando de Porto Alegre.

O foco dos bandidos, por enquanto, está no domínio do tráfico da Zona Norte. A ordem é que não podem ser vendidas drogas de outros fornecedores. Em vez de uma guerra declarada entre os líderes, os criminosos atacam os pontos de venda – geralmente casas abandonadas em que usuários em dívida com o traficante ficam responsáveis –, matam quem estiver lá, incluindo consumidores, e ateiam fogo para extinguir o local de venda.

Este é o cenário que explica a chacina de quatro pessoas, incluindo uma mulher e dois adolescentes, e outras seis ocorrências que tiveram duas ou mais vítimas neste ano, sendo cinco delas na Zona Norte. Entre os 15 bairros com mais mortes, seis estão na Zona Norte: Pioneiro, Fátima, Belo Horizonte, Santa Fé, Portal da Maestra e Cânyon.

Foto: Arte Pioneiro


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros