Caxiense é investigado por envolvimento com facção paulista ligada ao tráfico de cocaína - Polícia - Pioneiro

Operação Coroa18/09/2017 | 09h25Atualizada em 18/09/2017 | 09h25

Caxiense é investigado por envolvimento com facção paulista ligada ao tráfico de cocaína

Maicon Carvalho Souza, o Abacaxi, segue recolhido no Mato Grosso do Sul

Caxiense é investigado por envolvimento com facção paulista ligada ao tráfico de cocaína Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

 A Polícia Federal (PF) pretende concluir na próxima semana o inquérito sobre a Operação Coroa, que desmantelou uma quadrilha apontada como a principal fornecedora de cocaína na Serra. O alvo da investigação é o morador de Caxias do Sul Maicon Carvalho Souza, 27 anos, o Abacaxi, que segue recolhido no Mato Grosso do Sul. Ele foi preso em Ponta Porã (MS) no dia 29 de agosto com outros dois investigados, Ronei Ojeda e Osmar Andre Gimenez Cano, que seriam contatos dele naquele Estado, perto da fronteira com o Paraguai. Os três, conforme a investigação, negociavam com Jarvis Chimenes Pavão, um dos principais narcotraficantes da América do Sul e que está preso naquele país.

Os passos de Souza eram monitorados há pelo menos dois anos. Nos bastidores, Polícia Federal e Polícia Civil já tinham informações que apontavam ele como uma peça relevante no tráfico de drogas em Caxias e região. A suspeita é de que Souza seja o elo de ligação entre o Rio Grande do Sul e  o Primeiro Comando da Capital (PCC), o que explicaria a relação com Pavão. 

A fronteira entre Juan Pedro Caballero — cidade paraguaia com 100 mil habitantes — e Ponta Porã é uma posição valiosa para organizações criminosas por ser a principal porta de entrada da cocaína que é escoada da Colômbia, da Bolívia e da Peru para o Brasil. Desde junho do ano passado, quando um líder rival foi assassinado, a região estaria sob domínio da facção brasileira e  de Jarvis Pavão.

O caxiense seria o responsável por transportar a droga da facção até o solo gaúcho. Esses serviços ocorreriam paralelamente ao esquema de tráfico que Souza liderava em Caxias e que foi desmantelado pela Operação Coroa. No entanto, a PF optou por não se manifestar sobre o possível envolvimento de Souza com o PCC.  

Leia mais
Principal fornecedora da Serra, quadrilha movimentou cerca de 720 quilos de cocaína em 12 meses
Polícia Federal faz operação contra tráfico de drogas na Serra

Apesar do esquema criminoso em que aparenta estar envolvido, Souza passava quase despercebido em Caxias. A ficha dele possui registros de lesão corporal, ameaça, porte de droga e porte ilegal de arma de fogo. O delito mais grave ocorreu em 22 de junho deste ano, quando Souza foi flagrado pela Brigada Militar (BM) negociando armas numa lancheria às margens da BR-116, em Ana Rech. Souza foi conduzido à delegacia com outros dois homens. Um deles era Michel Pacheco, investigado na Operação Coroa e apontado como braço direito de Souza. A dupla foi registrada como suspeita na ocorrência e liberada. 

Souza seria preso novamente em 29 de agosto, quando a PF deflagrou a Operação Coroa. O morador de Caxias foi encontrado em Ponta Porã  e resistiu a ação policial. Houve troca de tiros, mas ninguém se feriu. A PF também cumpriu mandados de busca em imóveis de Souza em Caxias.


Moradores de Caxias do Sul, Maicon Carvalho Souza, 27 anos, o Abacaxi, e Michel Pacheco são investigados na Operação Coroa da Polícia Federal.
À esquerda Maicon Carvalho e à direita Michel PachecoFoto: Reprodução / Divulgação

Braço direito já cumpriu pena

Se Souza era a ligação com traficantes internacionais, quem recebia o carregamento de cocaína em Caxias era Michel Pacheco, apontado pela PF como o gerente operacional em Caxias do Sul. Na Serra, a droga era vendida para dezenas de traficantes, que espalhavam a cocaína por pontos de tráfico e negociavam com usuários. A Polícia Civil é a responsável por esclarecer o alcance da rede criminosa e indiciar os traficantes locais.

Na Operação Coroa, Pacheco foi preso em casa, no bairro Pôr do Sol, e segue recolhido na Penitenciária Estadual no Apanhador. De acordo com seus advogados Andrei Felipe Valandro e Fernando de Souza Alves, Pacheco é um autônomo que compra e vende carros e nega veemente qualquer prática criminosa.

— Qual narcotraficante que mora lá no bairro Pôr do Sol e dirige um Palio? Ainda mais com esta quantidade de drogas que o apontam como responsável. Traficante ostenta poder, mas o Michel é um miserável. O Palio apreendido era o que ele utilizava para levar seu filho à escola — afirma Valandro.

Essa é a terceira acusação de tráfico de drogas contra Pacheco. Em 2004, ele foi condenado e já cumpriu a pena.  Em 2011, foi novamente preso com drogas pela Brigada Militar (BM). O flagrante foi incluído em uma investigação da Polícia Civil que resultou no indiciamento de nove pessoas. O processo segue em tramitação. A reportagem não obteve retorno dos advogados de Souza. 

"O Pavão está sendo perseguido"

Apontado como herdeiro do traficante Fernandinho Beira-Mar, Jarvis Chimenes Pavão (foto ao lado) já foi alvo de cinco investigações da Polícia Federal no Rio Grande do Sul desde 2010. A primeira delas, batizada de Matriz e que também passou pela Serra, resultou no pedido de extradição de Pavão para o Brasil, o que pode ocorrer até o final do ano.

Apesar de ser descrito como um barão da cocaína, Pavão possui apenas uma condenação de oito anos de prisão, e é por esta sentença que ele está recolhido no Paraguai em uma penitenciária de segurança máxima controlada pelo Exército paraguaio. É com este argumento que o advogado de Pavão afirma existir uma perseguição da PF contra o seu cliente.

— Para engrossar as investigações e levar ao Judiciário, a Polícia Federal, principalmente a do Rio Grande do Sul, tem colocado o nome do Pavão como se ele tivesse participação nestes crimes de tráfico. O meu cliente não conhece as pessoas da Operação Coroa. A PF não tem dado o direito de esquecimento ao meu cliente — afirma Jean de Menezes.

De acordo com o advogado, as investigações da PF buscam alguém que “conhece ou que tem um telefone” para incluir Pavão e “transformar as investigações em um espetáculo”.

— Querem trazer o nome dele para uma investigação pequena e torná-la maior. Só que no presídio em que está, o Pavão não tem possibilidade alguma de gerenciar algo. É até um desrespeito com o Exército paraguaio que faz a custódia dele. Meu cliente está sendo perseguido e vamos comprovar. 

Menezes, que assumiu a defesa de todos os processos de Pavão no Brasil, ressalta que seu cliente nunca teve relação com o Rio Grande do Sul — Pavão é natural de Ponta Porã. A contratação de uma defesa jurídica no Estado é explicada como uma decisão da família diante de tantas acusações que repercutem na imprensa.

— A família achou que era necessário falar. O meu cliente não tinha voz, apenas a Polícia Federal estava se manifestando. O Pavão está muito chateado. É um homem que está cumprindo sua pena. Parece que a Polícia Federal quer exterminar ele — reclama o advogado.

De acordo com a PF, Pavão é o maior fornecedor de cocaína do Brasil na fronteira entre Juan Pedro Caballero e Ponta Porã. A investigação aponta Ronei Ojeda e Osmar Cano como os responsáveis por receberem a droga e organizarem o transporte até a Serra Gaúcha – que ocorria em carros de luxo conduzidos por mulas (pessoas a serviço do tráfico), caso de um homem flagrado com 80 quilos de pasta base de cocaína em Veranópolis, em abril deste ano.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros