Suspeita afirma que matou mulher por legítima defesa em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Discussão por bebidas12/05/2017 | 14h55Atualizada em 12/05/2017 | 14h55

Suspeita afirma que matou mulher por legítima defesa em Caxias do Sul

Investigação da Polícia Civil deverá ser concluída na semana que vem

Suspeita afirma que matou mulher por legítima defesa em Caxias do Sul Facebook/Reprodução
 Fabiana Rumor Leite, 40 anos, foi assassinada no bar que administrava no bairro Cruzeiro Foto: Facebook / Reprodução

A Polícia Civil de Caxias do Sul deve concluir na semana que vem a investigação sobre o assassinato da comerciante Fabiana Rumor Leite, 40 anos. Em depoimento, uma mulher de 34 anos confessou a autoria e entregou o revólver calibre .32 utilizado. Ela alega que foi atacada e agiu em legítima defesa. Como ainda não houve indiciamento ou prisão, o nome da investigada não é divulgado.

Leia mais
Mulher é morta por outra mulher no bairro Cruzeiro, em Caxias do Sul
Homem é preso após tentar arremessar garrafa para dentro do presídio de Vacaria
Polícia impede arremesso de bola de futebol com maconha para dentro de presídio na Serra

O crime ocorreu no bar administrado pela vítima na Rua Pe. Raul Accorsi, no bairro Cruzeiro, na madrugada de 30 de abril. Na ocasião, de acordo com testemunha, houve uma desavença entre a comerciante e uma mulher que sacou um revólver e efetuou diversos disparos por volta das 3h. Fabiana foi atingida no tórax, abdômen, rosto e braço e morreu no local. A atiradora fugiu em um Palio acompanhada de um homem.

Em depoimento na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, a investigada afirmou que o confronto ocorreu durante uma discussão ocasional relacionada a bebidas. Ela alega que estava sozinha.

— A suspeita confessou a autoria dos disparos, mas alega que agiu para se defender de uma agressão a faca. Iremos confrontar esta versão com o relato das testemunhas e os resultados das perícias e necropsia. Por enquanto, não há elementos para representar por uma prisão preventiva — afirma o delegado Rodrigo Kegler Duarte.

O revólver calibre .32 entregue pela investigada não possui procedência e, por isso, a suspeita deverá ser indiciada por posse ilegal de arma de fogo.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros