BM e Polícia Civil prometem ações contundentes contra pico de roubos de ônibus em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Rotina de medo02/05/2017 | 07h54Atualizada em 02/05/2017 | 07h54

BM e Polícia Civil prometem ações contundentes contra pico de roubos de ônibus em Caxias do Sul

Retorno da Patrulha do Transporte Seguro será anunciado nesta semana

BM e Polícia Civil prometem ações contundentes contra pico de roubos de ônibus em Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Zona Norte é a região mais afetada pelo crescimento dos roubos a ônibus em Caxias Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O crescimento dos índices de roubo a ônibus e o medo da população chamaram a atenção dos órgãos policiais de Caxias do Sul. Com 98 assaltos registrados até a quinta-feira passada, o primeiro quadrimestre de 2017 é o pior dos últimos 19 anos. Na Polícia Civil, a Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Captura (Defrec) foi designada para realizar uma ação mais profunda. Este tipo de investigação demora, contudo é importante para elaborar mais provas para garantir que um suspeito fique mais tempo recolhido na prisão. Por outro lado, a Brigada Militar anunciará nesta terça-feira o retorno da Patrulha do Transporte Seguro.

Leia mais
Primeiro quadrimestre de 2017 registra o maior número de roubos a ônibus em Caxias do Sul desde 1999

"Como que não vou andar com ônibus do meu bairro?", questiona passageira em Caxias do Sul
Operadores de ônibus de Caxias do Sul já consideram roubos como parte da profissão

A iniciativa de destinar uma uma guarnição para combater os roubos a transporte coletivo surgiu após 2007 terminar com 310 assaltos — o pior ano contabilizado pela Visate. A ação foi considerada exitosa: no ano seguinte, os roubos reduziram 62% — foram registrados 194 casos. O índice caiu para menos metade em 2009 em relação ao ano anterior. Em 2010, ocorreram 61 roubos a ônibus — o melhor resultado nos últimos 19 anos. Com a extinção da patrulha em 2015, os casos aumentaram consideravelmente.

— Pouco mais de dois anos atrás, houve uma mudança de estratégia e a patrulha foi extinta. Iremos reativar este trabalho de maneira experimental e temporário. (Diante dos números atuais) algo precisa ser feito e buscamos um resultado positivo. Foi uma elevação considerável (nos índices) — aponta o major Jorge Emerson Ribas, comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM).

O foco da Patrulha é aproximar a BM dos operadores da Visate e dos passageiros para identificar os problemas. A equipe atuará nos horários com mais ocorrências e será responsável pelo atendimento em caso de assalto, reduzindo o tempo de resposta. A princípio, a Patrulha atuará até junho, quando o trabalho será avaliado.

— É um trabalho preventivo e que irá reunir informações. Já temos descrições de suspeitos que foram trazidas pela comunidade. Via de regra, são indivíduos de baixa periculosidade, com armas brancas e perfil de usuário de crack. O valor levado é muito baixo — resume o comandante.

Defrec busca relacionar casos

A Polícia Civil também se mobiliza para responder a este pico nos roubos de ônibus. Foi solicitada que a Defrec, especializada no combate a quadrilhas e ao tráfico de drogas, investigue os casos. A intenção, além de identificar os assaltantes, é relacionar os casos e produzir provas mais robustas.

— O combate está sendo estruturado e pretendemos realizar uma ação articulada no todo. Não iremos buscar apenas um assaltante, mas enfrentar toda esta modalidade de crime. É um trabalho mais demorado, mas que irá gerar uma maior quantidade de provas para manter estes indivíduos presos — explica o delegado Mário Mombach.

Apesar da nova estratégia, o chefe da Defrec acredita que o perfil dos criminosos mantém o padrão: jovens de baixo nível de organização e atuação baseada na oportunidade. Os primeiros indícios apontam que os casos aumentaram devido à ação reiterada de pequenos grupos de delinquentes.

— O modo é aquele "chegar e fazer". Querem arranjar pequenas quantias de dinheiro para manutenção do vício (em drogas). Outro indicativo são os bairros de maior incidência: estes delinquentes atacam em uma área de domínio (o bairro que moram, por exemplo) onde sabem como fugir e se esconder — aponta o delegado. 

Escala para crimes maiores

Apesar de ser um crime de alto risco — por envolver violência e criminosos inexperientes —, o roubo de ônibus muitas vezes é citado como um crime de menor potencial ofensivo. Entre os bandidos mais experientes, esse tipo de crime é considerado "chinelo", ou seja, praticado por criminosos de baixo escalão. Contudo, esses assaltos devem ser analisados como uma porta de entrada para crimes maiores.

No contexto do roubo a transporte coletivo, entra a figura do traficante. É ele quem recebe o usuário de drogas e vê uma oportunidade de usá-lo, afinal, o tráfico precisa de mão de obra barata para manter o domínio. Após ter sucesso em suas ações, esse ladrão é convidado e pressionado a cometer crimes mais graves, como defender um ponto de tráfico, ameaçar outro usuário em dívida e participar de assassinatos. Quando o ladrão é preso, acaba sendo apresentado a bandidos mais experientes na cadeia e sua escalada no crime se intensifica.

— Gera muita insegurança. É um crime da drogadição pura. Que alimenta pontos de tráfico, que enriquece o traficante e move esta rede criminosa. Os pequenos delitos é que colocam as pessoas no caminho do crime. Conheço delinquentes que roubavam ônibus 20 anos atrás e agora estão presos por roubo a banco. São pessoas que não passam por nenhuma recuperação, pelo contrário. No presídio, eles só escalam no crime — afirma Renato Cordeiro, supervisor de segurança da Visate.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros