Conselho Tutelar confirma irregularidades no Case de Caxias - Polícia - Pioneiro

Após denúncias11/10/2016 | 17h54

Conselho Tutelar confirma irregularidades no Case de Caxias

Relatório entregue ao Ministério Público aponta problemas na alimentação, de estrutura do Case e nos dormitórios precários

Conselho Tutelar confirma irregularidades no Case de Caxias Cristiane Barcelos/Agência RBS
Relação conturbada entre apenados e monitores seria um dos motivos da rebelião ocorrida em 17 de setembro Foto: Cristiane Barcelos / Agência RBS

Uma fiscalização do Conselho Tutelar confirmou irregularidades no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Caxias do Sul. A visita foi realizada em 28 de setembro, após denúncias de familiares de internos sobre alimentação de má qualidade e higienização. O relatório sobre as inadequações foi entregue ao Ministério Público nesta terça-feira.

Leia mais
MP investiga tratamento dado aos jovens no Case de Caxias

Seis jovens são denunciados por tentativas de homicídio durante rebelião no Case de Caxias
Inquérito será aberto para investigar rebelião no Case, em Caxias do Sul

Os detalhes do documento não foram divulgados, mas os conselheiros encontraram problemas na alimentação dos internos, na estrutura do Case e nos dormitórios precários. O relatório também alerta sobre a superlotação e denúncias de maus-tratos.

— Consideramos a questão grave e urgente. Os apontamentos estão com o Ministério Público para que sejam tomadas as medidas cabíveis — resume Evandra Pellin, coordenadora do Conselho Tutelar Sul.

A visita do Conselho ocorreu após informações repassadas ao Disque 100. O Conselho Municipal dos Direitos Humanos participou da vistoria. Dois grupos diferentes conversaram com os adolescentes e passaram pelos setores do Case.

O Ministério Público abriu, em 29 de setembro, um inquérito civil para apurar eventuais irregularidades no tratamento dado aos jovens no Case. O promotor Mauro Porchetto não se manifesta sobre o processo devido ao segredo de Justiça.

Questionado sobre as denúncias dos familiares, o presidente da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), Robson Vinn, negou qualquer possibilidade de irregularidades ou maus-tratos.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros