MP investiga tratamento dado aos jovens no Case de Caxias - Polícia - Pioneiro

Após denúncias11/10/2016 | 10h15Atualizada em 11/10/2016 | 10h32

MP investiga tratamento dado aos jovens no Case de Caxias

Reclamações referem comida estragada e demora no atendimento para ir ao banheiro

MP investiga tratamento dado aos jovens no Case de Caxias Cristiane Barcelos/Agência RBS
Relação conturbada seria um dos motivos da rebelião ocorrida em 17 de setembro Foto: Cristiane Barcelos / Agência RBS

O Ministério Público investiga a conturbada relação entre os infratores e os funcionários do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) em Caxias do Sul. Um inquérito civil foi aberto em 29 de setembro para apurar eventuais irregularidades no tratamento dado aos jovens. O promotor Mauro Porchetto não se manifesta sobre o processo devido ao segredo de Justiça.

As principais reclamações dos jovens aos familiares remetem a comida estragada e a demora no atendimento para ir ao banheiro. O uso de algemas também é contestado. Os rapazes ficariam com os braços imobilizados inclusive na hora do banho e durante visitas.

Leia mais
Seis jovens são denunciados por tentativas de homicídio durante rebelião no Case de Caxias

Inquérito será aberto para investigar rebelião no Case, em Caxias do Sul

— Os monitores humilham os meninos. A comida estava sendo servida azeda. O que levamos (durante as visitas) não chega aos meninos. Eles querem ser ouvidos. O que eles falam para os monitores não chega a direção da casa — afirma a sogra de um interno de 17 anos.

A suposta má qualidade da comida é uma reclamação unânime entre as nove mães que procuraram a reportagem. A segunda questão que assustou os familiares foi o excesso da BM durante a rebelião. A reclamação é que, apesar do tumulto ter sido provocado por um grupo de seis a nove jovens, todos os internos teriam sido agredidos.

— O meu filho fica no outro bloco. Ele estava em uma cela com um colega, mas foram buscar e bateram igual. Ele ficou todo machucado. A rebelião foi no final de semana e na quarta-feira (dia de visita) encontrei ele passando frio, de regata, com a bermuda rasgada e pé no chão. Assim não vai reeducar ninguém — lamenta a mãe de um interno de 15 anos.

Fase nega possibilidade

Questionado sobre as denúncias de maus tratos, o presidente da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), Robson Vinn, descarta a possibilidade. Ele ressalta que a alimentação é terceirizada em todo o Estado, com a comida fabricada fora do sistema e submetida a um controle de qualidade rigoroso.

— É impossível (ter má qualidade no alimento). Estou há dois anos e é a primeira vez que ouço isso. Talvez para justificar algumas ações — opina.

Sobre o relacionamento entre funcionários e os adolescentes, Vinn nega qualquer conflito e ressalta o viés socioeducativo desenvolvido.

— O agente socioeducador tem uma obrigação institucional de cobrar uma postura. Cobrar que esse adolescente acorde cedo, que se higienize, que faça uma atividade física, que ele produza institucionalmente. Se é rigoroso, é feito para moldar nesse sistema mínimo. No Case, ao contrário do sistema penal adulto, o controle ocorre 24 horas por dia. Nossos servidores não utilizam qualquer tipo de arma. É exclusivamente o diálogo — comenta.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros