Prefeitos de municípios da Serra se dizem frustrados com manutenção da região na bandeira vermelha  - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Distanciamento controlado16/06/2020 | 21h36Atualizada em 16/06/2020 | 21h36

Prefeitos de municípios da Serra se dizem frustrados com manutenção da região na bandeira vermelha 

Maioria diz que irá cumprir determinação. Vacaria entrará na justiça para manter bandeira laranja 

Prefeitos de municípios da Serra se dizem frustrados com manutenção da região na bandeira vermelha  Fabiana de Lucena/Divulgação
Foto: Fabiana de Lucena / Divulgação

A decisão do governador Eduardo Leite (PSDB) em manter a Serra em bandeira vermelha dentro do modelo de distanciamento controlado para reduzir a propagação da covid-19, gerou um sentimento de frustração entre os prefeitos da região. A expectativa da maioria dos gestores era de que a situação fosse reconsiderada pelo comandante do Piratini e bandeira laranja fosse retomada ainda nesta terça-feira (15). 

Leia Mais
"O ponto crucial é que as pessoas se cuidem", diz presidente da Amesne após bandeira vermelha ser mantida na Serra
Governo do Estado mantém regramento da bandeira vermelha para a região da Serra

Segundo o prefeito de Caxias do Sul, Flávio Cassina, o município estava preparado para seguir na antiga determinação epidemiológica. 

- Recebo essa notícia com bastante frustração, porque temos adotados várias medidas para ampliação do sistema de saúde e contávamos com uma reconsideração do governador, uma revisão das bandeiras. Fomos colhidos de surpresa, porque não estava nos nossos planos - afirma Cassina, alegando que o cenário previsto para esse momento era outro: 

- Estávamos na semana passada e nessa trabalhando para ir para bandeira amarela e, no fim, acabou piorando o negócio e veio para a vermelha, apesar de todos os atos que a gente tomou, sempre tentando correr na frente. É uma frustração, mas nesse momento nos cumpre acatar a decisão do governador, porque não temos outra coisa a fazer nesse momento. 

Em Bento Gonçalves a notícia também não agradou o prefeito Guilherme Pasin (Progressistas). No entanto, ele descarta qualquer possibilidade de não seguir a determinação estadual. 

- Decreto tem que ser cumprido. Nós contestamos os critérios, apresentamos ao governador nosso questionamento. Agora é alterar nosso decreto e cumprir de forma literal a determinação e apresentar os novos dados na próxima sexta-feira (19) - diz Pasin, anunciando que medidas serão tomadas para antecipar ações: 

- Vamos agora, junto com outros municípios, criar um observatório técnico para que não sejamos mais surpreendidos com dados apresentados. Ter um acompanhamento próprio para entender todos os pontos que precisam ser trabalhados, que são averiguados pelo estado. 

Waldemar de Carli (PMDB), prefeito de Veranópolis, acredita que a cidade teria condições de permanecer com a bandeira laranja, apesar de admitir que o município pode ter um aumento de confirmações da covid-19: 

- Aqui estamos em uma situação relativamente tranquila, apesar de que nessa semana teremos aumento de casos. Tivemos uma festa clandestina, com cerca de 200 pessoas, e acreditamos que tinham pessoas infectadas e que transmitiram para vários veranenses. Fico quase sem argumentação porque eu tenho aqui também meus casos aumentando. Mas estamos em uma situação tranquila, porque temos um paciente internado só. 

Para De Carli, alguns setores vão sofrer mais com a mudança de bandeira. Para ele, uma avaliação mais local mostraria outra condição para a região: 

- Essa bandeira vermelha nos dá um retrocesso na questão econômica, principalmente. Mas essa bandeira não é por causa dessa microrregião que vai de Veranópolis até Paraí, mas no quesito da saúde, estamos inseridos na referência de Caxias. 

Em busca da separação 

Duas regiões da Serra tentam junto ao governo do Estado a separação do grande grupo: os campos de Cima da Serra e as Hortênsias. Segundo o prefeito de Gramado Fedoca Bertolucci (PDT), já há conversas avançadas com Eduardo Leite para que essa situação seja efetivada. 

- Tive uma reunião com o governador pouco antes dessa publicação e ele prometeu um estudo bem fundo sobre uma das postulações que eu fiz, que foi a segregação da microrregião das Hortênsias da região da Serra, para que não sejamos punidos por situações estranhas às Hortênsias. Mas ele não arredou o pé de que a gente cumpra o decreto enquanto ele não falar o contrário - revelou Fedoca, admitindo que esperava um posicionamento diferente já na apresentação desta terça-feira: 

- O sentimento é de frustração (pela bandeira vermelha), mas há esperança por conta dessa promessa de estudo. 

O posicionamento mais contundente entre os prefeitos da Serra contrário à bandeira vermelha veio de Vacaria. O prefeito Amadeu Boeira (PSDB) afirmou que, após o pedido de divisão da região, atitudes mais drásticas serão tomadas. 

- Fizemos um requerimento para o governador tirar os Campos de Cima da Serra (da região de Caxias do Sul), até porque estamos controlados aqui. Amanhã (quarta-feira) vamos com os advogados da prefeitura entrar com liminar para tentar manter a bandeira laranja aqui. O procurador do Estado já falou que temos 48h para nos adequarmos ou ele entrará com um processo criminal contra a minha pessoa, o prefeito. Mas vamos aguardar as 48h. Marília (SP) entrou e ganhou, então vamos ver como eles fizeram e vamos entrar - informou Boeira, explicando como será a quarta-feira em Vacaria: 

- Funciona normalmente dentro da bandeira laranja.

Leia Também
Sindilojas de Caxias do Sul orienta que comércio cumpra determinação estadual

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros