Com início das detonações, Estado prevê para quarta liberação da ERS-122, em Farroupilha - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Após limpeza11/11/2019 | 16h58Atualizada em 11/11/2019 | 17h47

Com início das detonações, Estado prevê para quarta liberação da ERS-122, em Farroupilha

Nova carga de explosivos terá que ser aplicada na manhã desta terça-feira (12)

Com início das detonações, Estado prevê para quarta liberação da ERS-122, em Farroupilha André Fiedler / agência RBS/agência RBS
Nova carga de explosivos terá que ser aplicada na manhã desta terça-feira (12) Foto: André Fiedler / agência RBS / agência RBS

Com o início das detonações das rochas que desmoronaram no km 43 da ERS-122, em Farroupilha, na tarde desta segunda-feira (11), o Estado prevê que até quarta-feira (13) o trânsito seja liberado para veículos leves. Pela manhã, a estimativa era permitir a passagem nesta terça-feira (12), mas uma nova carga de explosivos terá que ser detonada na manhã de terça para derrubar pedras que ainda estão na encosta e destruir uma das rochas que segue sobre a pista. Essa etapa não pôde ser realizada nesta segunda porque as equipes não conseguiram realizar as perfurações para implantação dos explosivos. 

>>  "A decisão tem que ser técnica, não política", diz secretário de Logística do Estado sobre liberação da ERS-122
>> Alargamento de pista onde houve queda de barreira, na ERS-122, em Farroupilha, é finalizado 

A detonação de três rochas, incluindo a maior delas, com peso estimado entre 1,5 mil e 2 mil toneladas, ocorreu pouco antes das 15h30min. O trabalho só pode ocorrer com autorização do Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados da 3ª Região Militar do Exército, órgão localizado em Porto Alegre que regula o uso de explosivos. O documento permitindo a detonação foi recebido por volta das 13h45min pelos responsáveis pela empresa Boqueirão Desmonte, que estavam no local do desmoronamento. Cerca de 15 minutos depois teve início a instalação dos explosivos. Ao todo, foram utilizados entre 25kg e 30kg, o que exigiu o isolamento de um raio de 500 metros no entorno. 

Leia mais
"A decisão tem que ser técnica, não política", diz secretário de Logística do Estado sobre liberação da ERS-122
Alargamento de pista onde houve queda de barreira, na ERS-122, em Farroupilha, é finalizado
É preciso redobrar os cuidados ao trafegar na ERS-452, em Caxias do Sul 

Após a explosão, funcionários da empresa Encopav, contratada pelo Daer para a manutenção da rodovia, iniciaram a retirada das pedras. A rocha maior ficou parcialmente destruída, mas o restante poderá ser desmontado com o uso de um martelete hidráulico, utilizados para quebrar pedras. 

- Ela está toda fragmentada. Agora serão duas frentes. Uma carrega os explosivos e outra tira os pedaços. Amanhã (terça) vamos detonar um cordel (pavio) na encosta apenas para fazer vibrar e derrubar as pedras que estão para cair, além de detonar a outra pedra. É preciso muito cuidado porque não se pode usar muito explosivo que derrube toda a montanha e nem pouco a ponto de não quebrar a pedra - explica o diretor de Operação Rodoviária do Daer, Sandro Wagner.

Após as novas detonações de terça-feira as equipes se concentrarão na limpeza da pista para viabilizar a liberação. Não se descarta uma liberação no fim da tarde de terça, mas isso vai depender do andamento do trabalho. 

Sem chuva, Daer mantém liberação da ERS-122, em Farroupilha, para terça-feiraFoto: André Fiedler / Agência RBS

Histórico

A barreira caiu por volta das 23h45min de segunda-feira (4).  A manhã de terça-feira (5) engenheiros do Daer e da Encopav estiveram no local e iniciaram os trâmites burocráticos para Lis use recursos para a limpeza. A chuva não permitiu o início efetivo dos trabalhos.

Na quarta-feira (6), as obras tiveram início com atraso porque foi necessário aguardar a retirada de uma Amarok que bateu na barreira na noite anterior e ficou presa sobre as pedras e árvores. O condutor disse não ter visto o bloqueio.

Na quinta-feira (7), equipes da Encopav atuaram mesmo com chuva na construção de uma rampa com o objetivo retirar pedras da encosta. Já na sexta (8) houve a construção de uma faixa adicional provisória junto ao acostamento para permitir a passagem dos dois fluxos de tráfego simultaneamente. Representantes da Encopav e da Boqueirão Desmonte também deram início aos trâmites para as detonações. Havia expectativa de liberação no fim de semana, mas a chuva na região provocou a queda de novas pedras.

Leia também
Show em homenagem a Lucio Yanel reunirá grandes nomes da música regional nesta segunda-feira, em Caxias
Com salários de até R$ 8 mil, confira os concursos públicos abertos na região
Rodoviária de Caxias busca reinvenção para melhorar atendimento ao público

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros