Sem data para nova prova do concurso da prefeitura de Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Concurso da prefeitura09/02/2018 | 10h02Atualizada em 09/02/2018 | 11h14

Sem data para nova prova do concurso da prefeitura de Caxias

Empresa foi notificada e terá de formular um novo conjunto de questões

Sem data para nova prova do concurso da prefeitura de Caxias Adriano Chaves/Divulgação
Foto: Adriano Chaves / Divulgação

Ainda não há uma data para que os candidatos ao cargo de professor da rede municipal refaçam a prova anulada  pela prefeitura no último dia 6 de fevereiro, mais de 20 dias após a aplicação do exame. No concurso, ocorrido em 14 de janeiro, não foram contempladas questões de legislação, conteúdo previsto no edital do processo seletivo. Com isso, os 1.681 candidatos que fizeram o exame terão de refazê-lo, independentemente do desempenho que tiveram. A decisão do município foi acertada, segundo uma especialista ouvida pelo Pioneiro, mas gerou polêmica e movimentou um grupo de concorrentes que deve ingressar com recurso na Justiça.

Notificada pela prefeitura na última segunda-feira, a Exatus Promotores de Eventos e Consultoria, responsável pelo concurso, terá de formular um novo conjunto de questões objetivas, deste vez, com o conteúdo de legislação. Também será preciso publicar um novo edital com a lista das pessoas que poderão refazer a prova, a data, o horário e os respectivos locais da aplicação. Não há data prevista para que isso ocorra. A determinação é de que o edital seja publicado pelo menos cinco dias antes da realização da prova.

Leia mais:
Concurso público para professores tem prova anulada pela prefeitura de Caxias
Candidatos se mobilizam para questionar judicialmente anulação de prova de concurso em Caxias

De acordo com a prefeitura, a irregularidade foi percebida no dia seguinte à prova pela comissão executiva formada por cinco servidores de diferentes secretarias – entre eles, um procurador – que acompanha e fiscaliza o processo. Os integrantes avaliaram a situação e decidiram pela anulação.

Segundo a Secretaria de Recursos Humanos, o decreto que regulamenta os concursos públicos diz que a prova pode ser anulada se constatada irregularidade formal no processo, na formulação da prova.

Conforme a prefeitura, ao ser notificada, a empresa reconheceu o erro.

Ainda conforme o Executivo, o processo será retomado no mesmo formato, ou seja, a comissão verificará se a empresa seguiu os novos prazos determinados, acompanhará a realização do concurso, após, fará nova revisão nas questões. Não é possível que a comissão tenha acesso à prova antes da distribuição aos candidatos em virtude do sigilo.

Para a professora Maria do Carmo Padilha Quissini, que leciona Direito Administrativo na Universidade de Caxias do Sul (UCS) e é mestre em Direito Público, a prefeitura agiu acertadamente. Caso não anulasse a prova, provavelmente, o município receberia muitos recursos de pessoas que se sentiriam prejudicadas pela falta do conteúdo.

– O município está correto no sentido da anulação porque, se ele identifica vício, não precisa esperar pela provocação do Judiciário. Ele tem o poder de ver e, identificando vícios de ilegalidade, tomar a decisão de anular – analisa a especialista.

Ainda conforme Maria do Carmo, os candidatos têm o direito de recorrer. Porém, as ações mais plausíveis são as contrárias ao município de ressarcimento dos valores investidos em deslocamento, hospedagem e alimentação, por exemplo, em função do concurso. 

Como foi o processo

– A empresa que venceu a licitação, a Exatus Promotores de Eventos e Consultoria, ficou responsável por todo o processo – desde as inscrições, locação de locais para fazer as provas, contratação de fiscais, e realização da prova, formulada por uma ou mais bancas.
– Uma comissão executiva formada por servidores municipais acompanhou o andamento, verificando se a empresa está seguindo os passos em conformidade com o edital, inclusive quanto aos conteúdos previstos, e a legislação municipal.
– As provas chegaram em malotes lacrados e foram abertos na presença de candidatos, que assinaram um termo. Dentro dos malotes, estavam os envelopes com as questões, também lacrados, que foram entregues aos fiscais de salas.
– Os envelopes foram abertos nas salas diante de outros candidatos. Só então as provas foram distribuídas aos candidatos.
– A comissão executiva do concurso só teve acesso à prova depois da realização pelos candidatos.
– No dia seguinte, em uma avaliação, a comissão percebeu que faltavam cinco questões de legislação e que havia cinco questões a mais na parte de conhecimento específico na prova aplicada aos candidatos ao cargo de professor.
– Diante disso, a comissão decidiu pela anulação da prova em que foi constatada a irregularidade, não afetando os demais cargos.
– A empresa foi notificada a realizar uma nova prova e poderá, ainda, sofrer outro tipo de penalidade, como multa. A decisão cabe à Procuradoria-Geral do Município.

Leia também:
"Os criminosos subestimaram o poder de fogo da Serra", afirma capitão da BM em Bento Gonçalves
Estradas da Serra terão seis dias de fiscalização intensa no feriadão de Carnaval

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros