Após ataques, Guarda Municipal sugere melhorias no Cemitério Público de Caxias - Geral - Pioneiro

Vandalismo08/04/2017 | 10h00Atualizada em 08/04/2017 | 10h00

Após ataques, Guarda Municipal sugere melhorias no Cemitério Público de Caxias

Vistoria elencou ao menos seis pontos frágeis que facilitam a invasão de ladrões e vândalos

Após ataques, Guarda Municipal sugere melhorias no Cemitério Público de Caxias Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Após uma nova onda de furtos e atos de vandalismo contra jazigos do Cemitério Público Municipal de Caxias do Sul, a Guarda Municipal esteve no local e elencou ao menos seis pontos frágeis que facilitam a invasão de ladrões e vândalos. Os principais problemas, conforme o relatório divulgado na sexta-feira, são muros baixos e a inexistência de cercas, além de iluminação precária. No final da semana passada, invasores atacaram diversas sepulturas.

Leia mais:
Vândalos atacam jazigos no Cemitério Municipal, em Caxias
Por causa de vandalismo, famílias deixam de usar metal em túmulos de cemitérios de Caxias
Médicos de Caxias devem paralisar atividades na próxima semana
Justiça nega liminar em ação de extinção do mandato do vice-prefeito de Caxias

A situação descrita pela Guarda foi confirmada pela reportagem: já na entrada do cemitério há bancos de madeira colocados próximos de muros e grades que mais servem como apoio para a escalada dos criminosos do que para proteger o patrimônio. Outro ponto deficiente está localizado na lateral externa, na Rua Vinte de Setembro, onde buracos foram abertos para auxiliar na subida até o topo do muro. O local também não conta com câmeras de vigilâncias e alarmes.

— Constantemente chegamos para trabalhar e deparamos com túmulos danificados. E não é pouca coisa. Eles destroem portas de vidro, levam placas com os nomes dos falecidos, enfim, promovem um vandalismo sem tamanho. Até fios de luz levaram nessa última passagem — lamenta o administrador do cemitério, Luciano Perussatto. 

Diversos bancos de madeira estão localizados próximos a um muro baixo e que não possui grades.  Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Como o município não tem condições de oferecer uma vigilância permanente no local, a Guarda Municipal sugere a instalação de alarmes com sensores de movimento. O equipamento dispararia um sinal sonoro diretamente na central de monitoramento. O relatório também sugere colocação de um gradil de concreto nos pontos onde o muro é mais baixo. 

O documento com as sugestões de melhorias foi encaminhado à Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semma) e deve ser anexado a um outro relatório, produzido pela própria prefeitura. Conforme a assessoria da secretaria, todos os pontos apontados como deficientes serão estudados. Ainda sem um prazo definido, a secretaria promete adotas algumas medidas para evitar que sepulturas e capelas sejam saqueadas.

Muro lateral, na Rua Vinte de Setembro, também é baixo e possui buracos que facilitam a escalada. Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

OS PROBLEMAS ESTRUTURAIS DO CEMITÉRIO

- Muros localizados ao lado do acesso principal possuem, ao menos, quatro pontos com buracos
- Diversos bancos de madeira estão localizados próximos a um muro baixo e que não possui grades
- Muro lateral, na Rua Vinte de Setembro, também é baixo e possui buracos que facilitam a escalada
- Apenas postes da rua servem para iluminar o cemitério. Dentro do local, faltam mais pontos de luz, além da reparação de fios que foram furtados
- Cercas estão danificadas em diversos pontos

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros