Um coreto no coração da Praça Dante Alighieri - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória07/09/2016 | 06h28Atualizada em 07/09/2016 | 13h47

Um coreto no coração da Praça Dante Alighieri

Espaço surgiu em meados dos anos 1910, quando o intendente José Penna de Moraes deu início aos trabalhos de nivelamento e ajardinamento do logradouro

Um coreto no coração da Praça Dante Alighieri Domingos Mancuso/Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
O coreto instalado na Praça Dante por volta de 1914, durante a gestão do intendente Penna de Moraes Foto: Domingos Mancuso / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Um dos destaques da réplica de Caxias do Sul, nos pavilhões da Festa da Uva, o coreto localizado ao lado da igreja e do campanário reproduz a antiga estrutura existente na Praça Dante Alighieri, em meados dos anos 1910. Foi quando o então intendente José Penna de Moraes, eleito em 1912, deu início aos primeiros trabalhos de nivelamento e ajardinamento do espaço.

Todo esse trabalho acompanhava a crescente modernização da antiga vila, verificada a partir da chegada do trem e da elevação de Caxias à categoria de cidade. O vaivém dos vagões e locomotivas teve reflexo direto na urbanização, especialmente na praça e nos arredores da igreja - era o espaço por excelência das confraternizações populares e das mais diversas manifestações sociais e políticas da Pérola das Colônias, agora não mais uma colônia.

Na foto acima, a Praça Dante por volta de 1914, com o coreto ao centro e as antigas escadarias frontais da Catedral Diocesana - os "vizinhos" prédios do Bispado e da Casa Magnabosco conforme conhecemos hoje só surgiriam nas décadas seguintes.

No registro abaixo, uma quermesse movimenta o coreto e a praça por volta de 1915. Na sequência, o coreto reproduzido nos Pavilhões da Festa da Uva, juntamente com a antiga capela de Santa Teresa e o campanário. As imagens atuais são do fotógrafo Ricardo Wolffenbüttel.

Leia mais:
Os antigos quiosques da Praça Dante Alighieri
140 anos de imigração italiana: o dia em que Caxias virou Pérola
Utensílios e ferramentas das antigas colônias
Para recordar das antigas colônias

Uma antiga quermesse agita o coreto e a Praça Dante por volta de 1915 Foto: Domingos Mancuso / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

O nome

Conforme texto do jornalista Duminiense Paranhos Antunes, organizador do Documentário Histórico do Município de Caxias do Sul (1875-1950), até o início da década de 1910, o acidentado terreno da praça ainda não possuía um nome específico.

O batismo oficial foi sugerido por Penna de Moraes como uma espécie de homenagem aos pioneiros colonizadores italianos. Logo após a nominação, o médico Vicente Bornancini, representando a crescente população, sugeriu erigir um monumento com a efígie do autor da Divina Comédia.

Esse reconhecimento deu-se em 15 de novembro de 1914, quando foram inaugurados os bustos de Dante Alighieri e Júlio de Castilhos. Oito anos depois, a praça receberia outro ícone, a Estátua da Liberdade, surgida em 1922.

Leia mais:
Busto de Dante Alighieri completa 100 anos na Praça Dante
Busto de Dante: um ícone da Praça desde 1914
A mudança de nome da praça em 1942
Um incêndio agita o centro de Caxias em 1952
Acrobatas alemães dão um show nas alturas da praça em 1957

Confira outras publicações da coluna Memória

Acesse antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros