Caxias do Sul será a primeira cidade gaúcha a ter um centro de referência municipal para imigrantes - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Atendimento público09/03/2020 | 11h54Atualizada em 09/03/2020 | 15h43

Caxias do Sul será a primeira cidade gaúcha a ter um centro de referência municipal para imigrantes

Funcionamento do serviço será detalhado nesta segunda-feira pela prefeitura

Caxias do Sul será a primeira cidade gaúcha a ter um centro de referência municipal para imigrantes Roni Rigon/Agencia RBS
Funcionamento do serviço será detalhado nesta segunda-feira pela prefeitura Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Uma iniciativa da prefeitura de Caxias do Sul em parceria com o Centro de Atendimento ao Migrante (CAM) permitirá a instalação de um centro de referência aos imigrantes. Isso significa que Caxias será a primeira cidade gaúcha e uma das poucas no país a ter um serviço mantido por um governo municipal para acolher e orientar pessoas de outras nacionalidades na confecção de documentos, aprendizado da Língua Portuguesa e outras demandas. A novidade será detalhada em coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira (9).

O projeto caxiense nasce como um centro de informações, mas a projeção é transformá-lo em um Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI). No Brasil, somente a prefeitura de São Paulo (SP) mantém um CRAI, conforme o advogado do CAM, Adriano Pistorelo. Florianópolis (SC) fechou o serviço no ano passado. Curitiba (PR) acolhe o público por meio do Centro Estadual de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas (CEIM). O CRAI paulista virou referência por promover o acesso a direitos e a inclusão social, cultural e econômica dos migrantes. O serviço oferece suporte jurídico, apoio psicológico e assistencial, além de oficinas de qualificação profissional, o que será usado como referência pela cidade serrana.

Em Caxias, o projeto começou a ser gestado pela gestão do prefeito Flávio Cassina. Inicialmente, a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Proteção Social manteve contato com a direção do CAM e propôs formas de ampliar o atendimento prestado aos migrantes. Apesar da forte corrente migratória internacional na Serra nos últimos anos, o CAM foi o único suporte, além da Polícia Federal (PF), para atender haitianos, senegaleses e também migrantes brasileiros. O CAM é uma entidade de responsabilidade social da Associação Educadora São Carlos (AESC).

— Hoje, o CAM trabalha em sua capacidade máxima e faz as vias do poder público. O que acontecia: um a criança migrante chegava na escola e não conseguia se comunicar, então mandavam para o CAM. Um migrante precisava de atendimento hospitalar e alguém para traduzir a conversa, chamavam alguém do CAM. Agora, o poder público poderá fazer a política pública, é um avanço. Não tem mais como ignorar essa realidade mundial — comenta Pistorelo.

Inicialmente, a prefeitura fará um atendimento com uma equipe pequena, que recebeu treinamento do CAM. Posteriormente, haverá uma maior estrutura. No período, a própria ONG prestará suporte ao município. No final deste mês, uma equipe da Organização Internacional de Migração, veiculada à ONU, estará em Caxias do Sul para uma formação como parte do processo de implementação do CRAI.

— Vários municípios já estão nos procurando para entender como conseguimos avançar nessa pauta da cidade. Antes (gestão de Daniel Guerra), não havia esse diálogo, a posição era contrária. Agora, mudou — exemplifica o advogado do CAM.

Leia também
Pesquisa do Observatório do Trabalho mostra que as empresas caxienses têm contratado menos idosos
Mulher morre após ser atingida por jet ski em São Francisco de Paula
Homem bate em container de entulhos e é preso por dirigir embriagado em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros