"Não consigo sair satisfeito com uma atuação dessas", diz técnico do Caxias após o empate com o Tubarão - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Série D21/11/2020 | 18h38Atualizada em 21/11/2020 | 18h39

"Não consigo sair satisfeito com uma atuação dessas", diz técnico do Caxias após o empate com o Tubarão

Equipe grená ficou no  1 a 1 com o time catarinense

"Não consigo sair satisfeito com uma atuação dessas", diz técnico do Caxias após o empate com o Tubarão Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O Caxias apenas empatou com o Tubarão, por 1 a 1, neste sábado (11). A partida ocorreu no Estádio Domingos Gonzales, e foi válida pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série D. Com o resultado, a equipe grená pode terminar a rodada fora da zona de classificação. Para isso, São Luiz ou Joinville precisam derrotar São Caetano e Marcílio Dias, respectivamente.

Leia mais:
Caxias apenas empata com o Tubarão e pode terminar a rodada fora da zona de classificação 

— É complicado. Uma situação que a gente não imaginava. Oscilamos na competição, mas voltamos a ter uma regularidade mesmo com grande número de jogos sem vencer. Nunca tínhamos saído do G-4 e ter que esperar por resultados é complicado, não é o que a gente queria, mas o futebol é assim, nos prega essas situações — afirma o técnico Rafael Lacerda. 

Em relação a atuação da equipe grená neste sábado, o técnico Rafael Lacerda reconheceu que não foi um bom jogo: 

— Não consigo sair satisfeito com uma atuação dessas. Dentro da nossa programação, do nosso objetivo, estava essa vitória aqui, contra o Tubarão, que nos deixaria numa situação muito boa na tabela. Atuação muito abaixo. No primeiro tempo péssima, a equipe do Tubarão nos dominou. No segundo tempo, a gente mudou um pouco, espetou os laterais, tentou deixar jogadores no mano a mano, surtiu algum efeito, mas não foi suficiente para buscar a vitória. Uma atuação ruim, ruim não: horrível. Temos que lamentar que não conseguimos o objetivo da vitória hoje — avaliou o treinador. 

Para este jogo, o técnico Rafael Lacerda promoveu Vinicius Baiano ao time titular. Na segunda etapa, Felipe Tontini assumiu a posição e fez o gol do empate. Inclusive, foi o primeiro dele com a camisa grená. 

— O Vinicius é um atleta, que agora é muito fácil apontar, aí é o papel de apontar dedos, apontar culpados. Mas não precisa apontar o Vinicius Baiano, não precisa apontar o presidente, não precisa apontar o Ademir, pode apontar o treinador. O treinador está acostumado mesmo, é normal. A opção do Vinicius é a que tinha, a gente pensou em jogar com jogadores nas beiradas, para ter velocidade neste um contra um, que não surtiu efeito. Nós não tínhamos outra opção para colocar. É o que a gente entendeu de melhor para essa partida, e a responsabilidade é do treinador — disse o técnico Rafael Lacerda. 

No confronto deste sábado, o Caxias teve diversas chances de marcar o gol na bola parada. Seja por meio de escanteios ou de cobranças de faltas próximas à área. O técnico Lacerda compreende que isso não ocorreu por méritos do Tubarão: 

— Entrega total do Tubarão, marcaram bem. A gente trabalhou muito esse quesito, fizemos muitos gols de bola parada. Tínhamos a convicção de que hoje poderíamos criar alguma situação de gol nesse quesito. Então, foi treinado muito e não conseguimos, acho que, praticamente, nenhum cabeceio. A equipe do Tubarão, é de se salientar, parece que estava jogando o jogo da classificação e o Caxias sem nada na competição. Eu, em alguns momentos, fiquei com esse sentimento, que me frustra muito, porque passa por mim a questão da motivação do elenco.

Há três jogos, o time da Serra não consegue vencer na competição nacional. O último triunfo foi diante do Joinville, na 10ª rodada. Nas últimas 10 partidas, inclusive, o Caxias venceu apenas um jogo, empatou seis e perdeu três confrontos. Na próxima, e última rodada desta primeira fase, o time grená enfrenta o São Caetano. O jogo está marcado para o sábado (28), às 15h, no Estádio Centenário. 

— A gente tem que se mobilizar porque é a nossa profissão. Estamos num clube gigante, um clube que dá toda a condição de trabalharmos. Precisamos ver como vão ser os resultados, mas, hoje, confesso que não adianta a gente se preocupar com os adversários, se a gente não está conseguindo fazer o nosso papel. Agora, se os resultados paralelos ajudarem, e a gente chegar vivo no último jogo, nós vamos ter que jogar para vencer. Se tiver que, de repente, tirar saldo de gols, vamos tentar reunir forças. Como eu falei, é a nossa profissão, a gente precisa estar sempre se motivando. 

Confiança no elenco 

Durante a coletiva de imprensa realizada após o empate com o Tubarão, o técnico grená foi questionado a respeito da sua confiança para com o elenco do Caxias. Em outras entrevistas, ele já havia respondido perguntas sobre o assunto e reiterado que acreditava no grupo. 

— Se eu não acreditar no meu elenco, não tem significado. Vou dizer o quê? Vou dizer que eu não confiava no acesso? Lógico que eu tenho que dizer que confio. É como eu falei, agora é muito fácil apontar, é muito fácil, assim como foi lá no início do ano, que apontaram para caramba e a gente conseguiu no Gauchão. Infelizmente, agora, eu vou dizer que não? O torcedor ia dizer o quê? "Ah, o Lacerda não confia no grupo". É muito difícil, as chances diminuem muito, depende muito de resultados, de combinação. Então, erramos, assumo a responsabilidade dos erros, e temos que seguir.

Leia também:
Sábado em Caxias é marcado por manifestações antirracistas e homenagens a homem morto em Porto Alegre

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros