Bloqueio de estradas impacta de forma preocupante vários setores da economia - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Caixa-Forte23/05/2018 | 19h35Atualizada em 23/05/2018 | 19h55

Bloqueio de estradas impacta de forma preocupante vários setores da economia

 O reflexo vai além do desabastecimento de combustível nas bombas

Bloqueio de estradas impacta de forma preocupante vários setores da economia Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Caminhoneiros bloquearam a RS 122, próximo ao acesso à Forqueta Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A manifestação dos caminhoneiros, em sinal de protesto contra o aumento sucessivo no preço do diesel,  preocupa as empresas da Serra justamente num momento de retomada da economia, após três anos de crise econômica. 

Leia mais
Postos de gasolina de Caxias do Sul operam na reserva

O impacto vai além do desabastecimento de combustível nas bombas, que se intensificará a partir desta quinta-feira. No Posto São Pelegrino, em Caxias, o estoque terminou ainda nesta quarta-feira, dia em que as revendas registraram grande demanda de abastecimento. À noite, muita gente enfrentou fila com receio de amanhecer de tanque vazio.

A greve dos caminhoneiros já imobiliza empresas em função da escassez de matéria-prima e dificuldades de entrega de produtos. A unidade 2 da Agrale, em Caxias, suspende as atividades nesta quinta e sexta por falta de insumos.

Outras companhias avaliam a extensão da manifestação e alternativas para contornar a situação, sem descartar cessar o expediente. O bloqueio das estradas já afeta a distribuição das duas maiores cooperativas de laticínios da Serra. Parte da frota de caminhões que distribui os produtos prontos da Santa Clara, de Carlos Barbosa, e da Piá, de Nova Petrópolis, está parada. As empresas também encontram percalços para receber leite dos associados.

A fábrica da General Motors, em Gravataí, suspendeu a produção na terça-feira, já que as mobilizações estão refletindo em fluxo logístico, na falta de componentes e na dificuldade de distribuição de veículos à rede de concessionárias.

A Cooperativa Central Aurora Alimentos comunicou que paralisará totalmente as atividades das indústrias de processamento. No Rio Grande do Sul, três unidades serão afetadas – duas em Erechim e uma em Sarandi. 

Se os protestos de caminhoneiros se estenderem — nesta quinta-feira entram no quarto dia —, os riscos são grandes de comprometer de forma crucial o abastecimento de vários setores, prejudicando contratos. Isso pode causar um efeito-dominó e uma escalada de preços (leia-se inflação) pontual em produtos que escassearem. 

Em carta, a CIC de Caxias afirma que "o protesto contra a alta dos combustíveis é justo e compreensível, mas não dá para aceitar o bloqueio das estradas em respeito ao direito de ir e vir dos cidadãos, nem tampouco tolerar o uso da violência."

O presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Porcello Petry,  entende que manifestações são legítimas, porém não devem comprometer o fluxo de cargas e de pessoas. "O bloqueio das estradas agride o direito constitucional assegurado de ir e vir das pessoas no Brasil", declara. 

Leia também
Empresas de Caxias anunciam suspensão de atividades em razão de paralisações
Atacadistas não recebem produtos desde segunda-feira na Ceasa Serra
Postos de Caxias podem ficar sem combustíveis a partir desta quinta


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros