Marcos Kirst: milagres na própria aldeia - Cultura e Tendência - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Opinião03/02/2020 | 07h00Atualizada em 03/02/2020 | 07h00

Marcos Kirst: milagres na própria aldeia

Tenho o privilégio de residir em uma região cujos artistas me conectam com o mundo

Se santo de casa continua não fazendo milagre, prefiro concluir que o problema não reside tanto no santo, mas mais na incapacidade dos fieis de detectar, reconhecer e se beneficiar com os poderes e os talentos do santo local. Santos e artistas são as categorias que mais sofrem com essa reincidente ideia de que tudo o que vem de fora é melhor do que aquilo que foi gestado dentro dos limites geográficos de nossa aldeia, como se nossa aldeia não fosse capaz de reunir os elementos necessários para a emersão de genialidades muitas vezes até superiores às dos santos e artistas de alhures.

Leia mais
Marcos Kirst: o que não vem por download
Marcos Kirst: o príncipe e o menino

Dia desses, madama, presenciei in loco a repetição do mantra. Estava eu a aguardar algumas pessoas para uma reunião ali no Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho e, como havia chegado antes do horário, aproveitei para apreciar as duas exposições de artes plásticas que ocupavam os espaços do ambiente. Uma, em um corredor, abrigava obras de artistas de Vacaria, compostas por telas que me impressionaram pela contundência, pela sensibilidade, pelo inusitado. A outra, ocupando a área da galeria principal, exibia desenhos e telas de um artista carioca, em um trabalho interessante, mas que me causou pouco impacto. Ao encontrar dois amigos no saguão, comentei sobre as mostras e recomendei que visitassem prioritariamente a de Vacaria, por julgá-la superior. Mal terminei de falar e a dupla se dirigiu direto à mostra do artista carioca. Afinal, era “de fora”. Não sei se de fato a qualidade dos artistas vacarianos era superior à do carioca, conforme eu defendia, mas uma coisa é certa: minha credibilidade enquanto crítico de arte está abaixo das polainas do cachorro.

De minha parte, sigo convicto de que, em se tratando de arte, a Serra faz milagres, sim, com a sucessão de talentos e genialidades que gesta em todas as áreas. Só para embasar, lembremos de Antonio Giacomin com suas aquarelas; de Vasco Machado e suas telas campeiras; de Rafa Schüler e sua guitarra falante; de Cibele Tedesco e Alcides Verza com sua maestria na condução de corais; de Zica Stockmans, Magali Quadros, Cleri Pelizza, João Tonus, Aline Zilli e Jonas Piccoli abrilhantando nossos palcos teatrais; da música de Selestino Oliveira; dos quadrinhos de Eduardo Cardoso; do olhar fotográfico de Mauro J. Bettiol e Liliane Giordano; da escrita de José Clemente Pozenato. E tantos, tantos outros, que chego a me empanturrar com os milagres que os talentos regionais são capazes de produzir na minha alma. Tenho o privilégio de residir em uma região cujos artistas me conectam com o mundo.

Leia também
Canicross: a paixão pelos cães ampliada através do esporte
Devotos caxienses demonstram seu amor por Iemanjá, celebrada neste domingo em todo o Brasil
Atelier Livre de Verão será realizado no dia 8 de fevereiro, em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros