Marcos Kirst: a verdade é um sem-teto - Cultura e Tendência - Pioneiro

Versão mobile

Opinião10/04/2017 | 08h00Atualizada em 10/04/2017 | 08h00

Marcos Kirst: a verdade é um sem-teto

É nos porões que a verdadeira História ganha forma, só que ninguém fica sabendo

A verdade, onde mora a verdade? Analisando os bastidores da História, tanto a antiga quanto a recente que está sendo tecida diante de nossos olhos e narizes; tanto a de nosso povo quanto a das outras nações, bem como as biografias dos protagonistas e o que elas ocultam ou sugerem nas entrelinhas, chega-se à conclusão de que a verdade é um elemento meramente decorativo na composição dos fatos que entram para a historiografia oficial da humanidade. Onde mora a verdade? Ora, em lugar algum. Ela é, a bem da verdade (ops), um sem-teto, um ser vagante que não encontra abrigo em página alguma na História da raça humana.

Leia mais
Tríssia Ordovás Sartori: ah, o amor
Nivaldo Pereira: as guerras de marte
Gilmar Marcílio: Tudo o que é raro

A verdade bate de porta em porta, é recebida com sorrisos na condição de convidada de honra nos salões mais nobres da História, acomoda-se em assento especial a ela reservado na mesa principal e posa para as fotos que ilustrarão as páginas oficiais do jantar. Porém, é mantida estrategicamente à distância dos porões da mansão onde, a portas fechadas, são tratados os verdadeiros acordos, onde as intrigas ganham forma, onde as intenções são postas à mesa, onde a barganha se concretiza, onde as máscaras são despidas. Ali, a verdade não entra. A música embala o baile no salão nobre onde a verdade é ludibriada pelos sorrisos e flashes que irão compor a História oficial. O alegre bailado sacode as tábuas do teto dos porões esfumaçados que ficarão à margem da narrativa. Porém, é ali que a verdadeira História ganha forma, só que ninguém fica sabendo. Alguns indícios às vezes sobem as escadas e tentam vir à tona, porém, logo são varridos para o meio-fio e classificados como teorias da conspiração, frutos de mentes ingênuas e deturpadas. Terminada a festa, a verdade volta a ser arremessada para a sarjeta.

E assim, vamos acreditando no que nos contam sobre as mortes de Marilyn Monroe e de John Kennedy, sobre o suicídio de Getúlio Vargas, sobre os reais desdobramentos da Segunda Guerra Mundial, sobre o assassinato de John Lennon, sobre os motivos dos processos de impeachment de presidentes brasileiros, sobre as planilhas de custo de certos produtos, sobre o atentado ao World Trade Center, sobre a inocência de revelarmos todos os nossos dados pessoais permanentemente conectados à internet, sobre as intenções de determinados políticos e assim por diante.

A humanidade está em pé de guerra contra a verdade desde que o mundo é mundo. Nem mesmo os ditados populares escapam dessa equação. Por exemplo: quem veio primeiro, o ovo ou a galinha? Nem um nem outro. Na verdade, quem veio primeiro foi o galo, mas isso nunca nos é contado.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros