Prefeitura de Farroupilha leva à Câmara pacote para hospital no dia da votação sobre tramitação de impeachment - Política - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Saúde13/02/2020 | 17h31Atualizada em 13/02/2020 | 17h31

Prefeitura de Farroupilha leva à Câmara pacote para hospital no dia da votação sobre tramitação de impeachment

Chefe de Gabinete diz que se trata de uma coincidência

Prefeitura de Farroupilha leva à Câmara pacote para hospital no dia da votação sobre tramitação de impeachment Antonio Valiente/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

A prefeitura de Farroupilha pretende levar à Câmara de Vereadores um pacote de auxílio ao Hospital São Carlos na próxima segunda-feira (17). No mesmo dia, deve ser votada a admissibilidade do processo de impeachment do prefeito Claiton Gonçalves (PDT). O pedido de cassação do mandato está embasado, inclusive, no fato de que o chefe do Executivo destinou recursos para a área da saúde sem o aval do Legislativo. O pacote para a instituição de saúde soma um montate de R$ 850 mil, conforme a prefeitura.

Desse total, R$ 150 mil são referentes a despesas para uma reforma da UCI Neonatal. As obras na área que receberia o serviço voltado a recém-nascidos chegaram a ser inauguradas em 2016, mas os atendimentos nunca começaram — a superintendência do hospital diz não ter interesse em colocar a unidade em operação diante do alto custo e da avaliação de que há baixa demanda no município.

Leia mais
Protocolado novo pedido de impeachment do prefeito de Farroupilha
Hospital de Farroupilha desiste de instalar UCI Neonatal
Apesar de reformas, UCI Neonatal de Farroupilha não tem prazo para operar

Os outros R$ 700 mil serão destinados ao pagamento de uma dívida com a RGE. Conforme a superintendente do hospital, Janete Toigo, a dívida com a concessionária de energia é maior. Segundo ela, além do valor que pode ser pago pelo município, o acordo com a RGE incluirá outras 60 parcelas de R$ 12 mil.

— É uma dívida com a RGE da época da intervenção pública — comenta Janete, em referência a um período de cerca de um ano em que a prefeitura assumiu a gestão do hospital, entre 2014 e 2015.

Uma negociação está em andamento para que a RGE instale placas fotovoltaicas no hospital, o que geraria economia na conta de energia. Conforme a superintendente do hospital, Janete Toigo, o valor que será reduzido ainda está em análise. No entanto, o chefe de Gabinete, Vandré Fardin, estima a economia de  R$ 12 mil por mês, o que faria com que, apesar do parcelamento da conta em atraso, o custo com energia elétrica não aumentasse para a instituição de saúde.

Pedido de impeachment

O empresário Glacir Gomes protocolou na quarta-feira (12) o segundo pedido de impeachment do prefeito. O argumento é que o chefe do Executivo cometeu ato de improbidade administrativa ao autorizar por decreto uma suplementação orçamentária para a compra de terrenos para a Secretaria da Saúde. O valor aumentou de R$ 10 mil para R$ 890 mil. No entendimento de Gomes, Claiton feriu a Lei Orgânica do município ao comprar imóvel sem autorização do Legislativo.

Sobre o fato de que o pacote de auxílio ao hospital será protocolado no mesmo dia em que a admissibilidade do processo será votada pelos vereadores, o chefe de Gabinete, Vandré Fardin, afirma que se trata de uma coincidência.

— São trabalhos de longo prazo da administração municipal e deu apens uma coicidência de ser no mesmo momento. A administração municipal continua trabalhando normalmente  — afirma.

Leia também
Alunos da Arnaldo Ballvê, em Caxias, iniciam aulas no Cristóvão nos dias 24 e 26 de fevereiro
Cânions do Sul é candidato a Geoparque Mundial pela Unesco
Fenavindima começa nesta sexta-feira com expectativa de vender 30 mil ingressos

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros