Os rumos de MDB, PDT e PSB na eleição à prefeitura de Caxias - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Mirante20/01/2020 | 07h30Atualizada em 20/01/2020 | 10h49

Os rumos de MDB, PDT e PSB na eleição à prefeitura de Caxias

Faltam menos de 10 meses para o pleito de outubro

Os rumos de MDB, PDT e PSB na eleição à prefeitura de Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Faltam menos de 10 meses para o pleito de outubro Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Recém começa a baixar – um pouco – a poeira levantada pelo impeachment e troca de governo. Espera-se que esta segunda metade de janeiro permita avançar no rumo de alguma estabilidade administrativa em Caxias. A cidade precisa. Esse contexto encobriu temporariamente as articulações visando à eleição municipal de outubro, já este ano – faltam menos de 10 meses.

Existe um número interessante de novas alternativas colocadas para o pleito deste ano. A curiosidade maior recai sobre partidos centrais, que sempre estiveram ao lado do grupo que está no novo governo. Em especial, sobre MDB, PDT e PSB.

O PDT tem em Edson Néspolo, neste momento, a possibilidade maior. O ex-prefeito Alceu Barbosa Velho sempre foi o nome prioritário do partido. A Executiva pedetista costuma definir que ele “só não será candidato se não quiser”. Mas Alceu pode não querer. Chegou a emitir sinais em dezembro passado neste sentido, quando disse, após um encontro em Gramado, que voltava “com a convicção de que Edson Néspolo fortalece nossa lista de pré-candidatos”.

Preventivamente, no início de dezembro, a Executiva pedetista já havia definido nomes de pré-candidatos para a hipótese de Alceu não concorrer, iniciativa que é bastante sintomática. Por esse caminho, Néspolo é inegavelmente o nome principal, e ele quer o desafio, como fica bem claro na entrevista dele ao Pioneiro.

Outra declaração importante de Néspolo é que, na sua visão, estão descartadas as grandes alianças, como em eleições municipais anteriores. Néspolo diz ter aprendido que o eleitor não as quer e admitiu um grupo de apoio pequeno, de até quatro partidos.

A maior incógnita

O PSB é a maior incógnita da próxima eleição. Neste fim de semana, o vice-prefeito Edio Elói Frizzo compartilhou em uma rede social cartilha eleitoral do PSB gaúcho para 2020.

"Cartilha do PSB esclarece dúvidas e dá dicas neste início de ano eleitoral", postou Frizzo.

Na cartilha, consta que "a meta do PSB é, em 2020, eleger no Rio Grande do Sul 40 prefeitos e 300 vereadores."

O PSB caxiense entra onde nesta contabilidade?

A diferença desta eleição

Já o MDB, tudo indica, terá o deputado estadual Carlos Búrigo candidato. A diferença dessas movimentações é o que salienta Edson Néspolo em sua entrevista. O eleitor claramente não quer grandes alianças. Então coligar partidos como PDT, MDB e PSB é jogada de alto risco. Se cada um seguir trilha própria, estará confirmada uma eleição com mais alternativas do que as anteriores. Isso é bom para a eleição e para a cidade, pois amplia o debate.

Leia também:
Ex-candidato diz estar à disposição para concorrer a prefeito de Caxias
As polêmicas do novo prefeito de Caxias do Sul Flavio Cassina
Encontro do prefeito e vice de Caxias com Sindiserv tem promessa de "portas abertas" 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros