Novo governo de Caxias do Sul reúne filiados de seis partidos - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Executivo24/01/2020 | 20h52Atualizada em 24/01/2020 | 20h52

Novo governo de Caxias do Sul reúne filiados de seis partidos

Prefeito Flavio Cassina convidou filiados do MDB, PSDB, PP, PTB, PSB e Novo para integrar a administração

Novo governo de Caxias do Sul reúne filiados de seis partidos Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O prefeito de Caxias do Sul, Flavio Cassina (PTB), praticamente definiu nesta semana os integrantes do primeiro escalão do novo governo. Dos 23 nomes confirmados, 16 tem filiações partidárias e sete estão sem partido. O novo governo tem representantes de seis partidos: MDB, PTB, PSB, PSDB, PP e Novo. No caso deste último, o filiado pediu licença da sigla para integrar a administração conforme prevê o estatuto do partido.  

O chefe do Executivo e os presidentes de partidos políticos têm ressaltado que os convites para integrarem a administração foram pessoais e sem a interlocução das legendas. O discurso do governo é para descolar a administração dos partidos. Já as manifestações dos representantes das siglas servem para se afastar do governo.

Mesmo com a tentativa de distanciamento, Cassina e o vice-prefeito Elói Frizzo (PSB) não conseguiram evitar o grande número de secretários com filiação partidária na composição do novo governo. O MDB é a sigla com maior representação com seis filiados. Na quarta-feira (22), o vereador Paulo Périco foi empossado como secretário da Cultura. A nomeação dele provoca questionamento sobre o período que deve permanecer no Executivo. Périco pediu licença da Câmara, mas, se decidir concorrer à reeleição terá de deixar o governo até o dia 4 de abril. O servidor público municipal Dagoberto Machado dos Santos retornou à Coordenadoria do Procon. Ele esteve a frente do órgão de 2005 a 2016. Dagoberto foi vereador de 1997 a 2000.

No PTB, partido do prefeito, o presidente do diretório municipal, Gilberto Meletti, foi nomeado como secretário de Obras e Serviços Públicos. Já a advogada Grégora Fortuna dos Passos ocupou o cargo de diretora geral nas duas oportunidades em que Cassina presidiu a Câmara de Vereadores, em 2015 e 2019. A braço direito de Cassina vai acumular duas pastas: a Secretaria de Governo e a Chefia de Gabinete. O PTB tem quatro cargos no governo.

O PSB, sigla do vice, tem três filiados no primeiro escalão. Frizzo ocupa a Secretaria do Planejamento. Ainda compõem o governo o titular das secretarias da Receita e de Gestão e Finanças, Paulo Dahmer, e o ex-vereador (1997/2004) Idair Moschen. Ele retorna a presidência do Samae, cargo que ocupou durante o Governo Alceu Barbosa Velho (PDT). 

O PSDB conta com dois filiados e o PP com um integrante.

Augustin articulou contra Guerra

Além do nome de Périco, outro que provoca questionamento é o do novo Procurador-Geral do Município, Sérgio Augustin, atualmente sem partido. Lideranças partidárias criticaram a nomeação dele para o cargo. Em setembro de 2017, Augustin, na época presidente do PSD caxiense, reuniu um grupo de oito vereadores para articular a votação da admissibilidade do segundo pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra (Republicanos).

Participaram da reunião, os vereadores Paulo Périco e Edson da Rosa, do MDB, Adiló Didomenico, Alceu Thomé e Cassina, do PTB, Velocino Uez (PDT), Renato Oliveira (PCdoB) e Elói Frizzo (PSB). Na época, Uez correu da reportagem e depois explicou que tinha um compromisso particular. Já Edson permaneceu dentro do local da reunião até a saída da reportagem.

A divulgação da reunião causou constrangimento. Dois dias depois, os vereadores rejeitaram por maioria de votos (16 a 5) o acolhimento do impeachment.

Foto: Arte Pioneiro

Leia também:
Nas redes, ex-prefeito de Caxias do Sul apresenta ações do mandato
Mais nove nomes no 1º escalão do novo prefeito de Caxias do Sul
PDT de Caxias anuncia que fará "oposição a algumas coisas" no Governo Cassina

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros