Codeca, de Caxias, tem previsão de déficit de mais de R$ 10 milhões em 2019 - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Entrevista: Nestor Basso08/01/2020 | 12h30Atualizada em 08/01/2020 | 13h39

Codeca, de Caxias, tem previsão de déficit de mais de R$ 10 milhões em 2019

Novo diretor-presidente, no entanto, descarta programa de demissões na companhia

Codeca, de Caxias, tem previsão de déficit de mais de R$ 10 milhões em 2019 Porthus Junior/Agencia RBS
Companhia presta serviços como a coleta de lixo, limpeza urbana em geral e pavimentação asfáltica Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A Companhia de Desenvolvimento de Caxias (Codeca), empresa pública de economia mista que presta serviços de limpeza urbana e pavimentação asfáltica na cidade, tem uma projeção de déficit entre R$ 10 milhões e R$ 11 milhões no ano de 2019. O balanço contábil, no entanto, ainda não foi concluído. Em entrevista ao programa Gaúcha Hoje da rádio Gaúcha Serra na manhã desta quarta-feira (8), o novo diretor-presidente da companhia, Nestor Basso, afirmou que o principal problema é a deficiência de receita. Ele destacou que é importante retomar contratos tanto junto ao município quanto com o setor privado.

— É uma mescla de um pouco de tudo. Mas o principal problema que estamos levantando e vamos tentar corrigir é a deficiência de receita. Nós temos contratos operacionais que não foram corrigidos e cláusulas contratuais para correção. Há contratos que vencem logo em seguida, há serviços que temos que reativar em termos de contratação — afirmou, acrescentando ainda que a Codeca vai buscar aumentar a venda de serviços a empresas.

Leia mais
Definido novo diretor-presidente da Codeca em Caxias do Sul
Secretário do governo interino de Caxias e presidente do PTB tem ação contra a Codeca

Segundo Basso, as atividades de limpeza urbana da Codeca são autossuficientes, mas o problema está no departamento de construção civil, responsável por obras, como o asfaltamento de estradas.

— São atividades dessa natureza, as pequenas obras, tapa-buracos, recomposição de vias, que têm que ser retomadas com força e vigor junto ao município — exemplifica.

Basso confirmou que cortes de gastos estão sendo avaliados, o que ainda requer diagnósticos, mas descartou a possibilidade de demissões em larga escala ou de um programa de demissões voluntárias. Disse, no entanto, que pode haver demissões "onde realmente não houver correspondência na atividade".

— Há possibilidade de desligamento quando existirem motivações justificadas. Não vamos sair por aí caçando bruxas. Vamos fazer os desligamentos que forem necessários. Não tem nenhum programa de demissão estabelecido e nem vamos fazer isso. Vamos avaliar as situações; se o "cidadão A" não cumpre o seu dever, ou etcetera e tal, ele será justificadamente demitido — destacou, ressaltando que o quadro da Codeca vem permanecendo inalterado nas últimas gestões e não haveria por que "fazer terror" com esse tipo de situação.

O novo diretor-presidente também informou que vai buscar dar continuidade a um processo já da gestão anterior da Codeca, o de renegociar parcelamentos para pagamentos de fornecedores.

Sobre os prejuízos com o vandalismo e queima de contêineres de lixo inorgânico na cidade - foram R$ 120 mil só em 2019 - Basso afirmou que a principal medida é trabalhar a educação da população. Sobre novos materiais menos suscetíveis a incêndios, ele disse que o custo é elevado e que seria uma estratégia de longo prazo, reiterando que, neste momento, o foco da gestão até o fim do ano é adotar um plano de metas para melhorar a saúde financeira da empresa.

Confira a entrevista na íntegra:

Leia também
Jaison Barbosa é impedido de assumir suplência do PDT na Câmara de Vereadores de Caxias
Vacina pentavalente está em falta na rede pública de Caxias há cerca de um mês
Nova derrota deixa Daniel Guerra mais distante da prefeitura de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros