"Década da Lava-Jato", avalia cientista político sobre anos 10 da política brasileira - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Retrospectiva 1/331/12/2019 | 10h00Atualizada em 31/12/2019 | 10h14

"Década da Lava-Jato", avalia cientista político sobre anos 10 da política brasileira

Especialista analisa cenário marcado por impeachment, polêmicas e polarização

"Década da Lava-Jato", avalia cientista político sobre anos 10 da política brasileira Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

 >> Parte 2: Confira 10 momentos marcantes da política caxiense na década 

>>  Parte 3: Confira dez momentos e personagens marcantes da política brasileira na década de 10 

Normalmente, é preciso relativo distanciamento para avaliar o impacto de uma década e colocar em perspectiva fatos que marcaram o período.  Não é o caso dos anos 2010, em que momentos marcantes foram quase rotina num cenário político que transcendeu a disputa eleitoral e ideológica que havia se acomodado desde a redemocratização do país na década de 1980. É difícil mensurar em que enquadramento histórico os 10 anos do ciclo serão classificados na literatura no futuro. É também impreciso afirmar se a década encerra um ciclo ou demarca o início de uma nova era. 

O cientista político e doutor em Ciências Sociais Marcos Paulo dos Reis Quadros arrisca e nomeia como a “década da Lava-Jato”. Embora reconheça como anos “turbulentos”, abarrotados de fatos impactantes, para o especialista, as investigações que levaram a prisões de figuras políticas de renome trataram-se de algo inédito e que estimulou maior participação popular na política.

– A polarização tem mais efeitos positivos do que negativos, pelo menos em longo prazo. Aquela apatia que se condenava o povo brasileiro parece que aos poucos vai sendo amenizada. Já não é aquele povo que assiste a tudo. É uma guerra cultural, de narrativas de visões de mundo distintas. Vimos (na década) uma ascensão e queda de um modelo político que era representado pelo PT e que foi substituído, pela primeira vez desde a redemocratização, por um modelo abertamente de direita, o que ampliou a pluralidade de ideias que a política brasileira estava ainda carente – avalia Quadros.

Sobre os principais símbolos da década, dois personagens se sobressaem, na opinião do cientista político: Luiz Inácio Lula da Silva e Sergio Moro.

– Foram os dois nomes da década. O presidente Lula por tudo que representou e os dois governos que tiveram avanços importantes na economia e políticas sociais. Mas o seu fim foi bastante deplorável. Todo esse capital político e simbólico que conquistou foi jogado pela janela por conta de problemas de corrupção que vieram à tona justamente por esse segundo movimento que é a Lava-Jato, e o outro personagem da década, que é o Sergio Moro, que capitaneou para si uma parcela muito grande da população. Se projetou como a grande nova personalidade política – destaca. 

Da mesma forma que governos municipais dependem do Estado e da União, repercutem também os cenários no sentido inverso. Caxias do Sul é exemplo disso. Manifestações sociais que resultaram em transformações políticas tiveram aqui sua representação. Além disso, impeachment, cuja prerrogativa surgiu no afastamento em nível federal, também foi replicado no município, sendo a cassação de Daniel Guerra o momento político mais marcante da década. 



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros