As três polêmicas da política externa tratadas na Cúpula do Mercosul, em Bento - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Serra Gaúcha05/12/2019 | 15h59Atualizada em 05/12/2019 | 15h59

As três polêmicas da política externa tratadas na Cúpula do Mercosul, em Bento

Governo brasileiro não se manifestou de maneira consistente sobre o recente anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de taxação do aço

As três polêmicas da política externa tratadas na Cúpula do Mercosul, em Bento Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Principais polêmicas da política externa tratadas pelos representantes dos países na Cúpula do Mercosul

1. Presidente autoproclamada da Bolívia

Durante o conselho de ministros, chanceleres do Uruguai e da Argentina divergiram sobre a validade da presidência autoproclamada na Bolívia.

Enquanto o ministro de Relações Exteriores argentino, Jorge Faurie contestou os quase 17 anos de poder de Evo Morales, o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, criticou a situação vivida na Bolívia após a renúncia de Morales, com a consequente autoproclamação de Jeanine Áñez como presidente. Na manifestação, Novoa fez uma crítica indireta ao Brasil. Ele avaliou de maneira crítica quando países definem a legitimidade de governos instituídos por razões ideológicas.

Na reunião dos presidentes, os posicionamentos dos dois países se reiteraram. Enquanto Mauricio Macri, presidente argentino, ressaltou que as eleições podem trazer a estabilidade ao país e defendeu a "valorização da responsabilidade" de Jeanine Áñez em assumir a presidência interina. Já a vice-presidente do Uruguai, Lúcia Topolansky, classificou a situação boliviana como "golpe de estado".

Quando questionado sobre o assunto, o ministro brasileiro, Ernesto Araújo limitou-se a dizer que espera que todas as opiniões sejam respeitadas. Já Jair Bolsonaro não se pronunciou sobre o tema.

Representando a Bolívia, a ministra de Relações Exteriores do país, Karen Longaric Rodriguez, defendeu a presidência autoproclamada e disse estar honrada em "participar em representação" de Jeanine Áñez.

2. Taxação do aço

Não houve manifestação consistente do governo brasileiro sobre o recente anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a reinstalação iminente de tarifas de importação sobre aço e alumínio do Brasil e da Argentina. Ambos os países têm os EUA como expressivo cliente nos segmentos.

Questionado se teria conversado com o chanceler argentino sobre o tema, o ministro de Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, afirmou em tom constrangido que sim.

3. O futuro do Mercosul

Em declarações recentes, o governo brasileiro sugeriu a possibilidade de mudanças no Mercosul, inclusive admitindo a própria saída do bloco, caso não haja convergência de interesses com a Argentina, após eleição de Alberto Fernández para a presidência. Fernández e Bolsonaro possuem reconhecida rivalidade ideológica.

Ernesto Araújo afirmou que o país está disposto a sentar com os novos governos para avaliar a futura dinâmica do bloco.

_ O Brasil está pronto para continuar trabalhando com todos os sócios. Estamos prontos para construir pontes para o futuro _ declarou Araújo.

Além da Argentina, a partir de março, Luis Lacalle Pou assume a presidência do Uruguai. Porém, ao contrário de Fernández, Lacalle e Bolsonaro já reafirmaram sintonia.

A próxima presidência rotativa do bloco será do Paraguai. Ontem, Bolsonaro entregou a função para Mario Abdo.

Embora o assunto não tenha sido abordado tão diretamente, as manifestações de ministros exaltaram os resultados obtidos pela atual composição do bloco e, consensualmente, os chanceleres ressaltaram a importância de continuidade dos trabalhos, que afirmaram ter representado o período mais prolífico do bloco nos últimos anos.


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros