"O Estado não faltará", diz governador sobre o Aeroporto de Vila Oliva - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Em Caxias07/11/2019 | 20h51Atualizada em 07/11/2019 | 20h51

"O Estado não faltará", diz governador sobre o Aeroporto de Vila Oliva

Eduardo Leite diz que está "ajustando a forma" para aportar recursos para desapropriações de terrenos para a construção de aeroporto

"O Estado não faltará", diz governador sobre o Aeroporto de Vila Oliva Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O governador Eduardo Leite acenou com aporte de recursos para as desapropriações de terras para a construção do Aeroporto Regional da Serra Gaúcha, conhecido como Aeroporto de Vila Oliva, em Caxias do Sul. A manifestação ocorreu ontem à noite, após a cerimônia de inauguração do Batalhão de Choque da Brigada Militar, em Caxias do Sul, que está em atividade desde o início de setembro. Devido as condições climáticas e o bloqueio da ERS-122, entre Farroupilha e São Vendelino, Leite atrasou o início do evento em uma hora e 30 minutos. O deslocamento foi realizado de carro pela BR-116.

_ Estamos numa boa conversa com o prefeito. Alinhados na demanda. É um projeto súper importante para o Estado, para a região, portanto, o Estado do Rio Grande do Sul não faltará com a sua parcela de responsabilidade neste assunto. Estamos encaminhando com a prefeitura e o Governo Federal. Nós temos a disposição, sim, de fazer as desapropriações. Estamos ajustando na forma que será feito _ disse o governador, sem dar um prazo para a confirmação do pagamento.

Após a cerimônia, o governador respondeu a questionamentos da imprensa sobre o recuo da proposta que previa cobrar o IPVA dos gaúchos em uma única parcela, garantiu a duplicação da ERS-122, e comentou ainda sobre a dificuldade de colocar em dia o pagamento de salários dos servidores estaduais e a proposta do Governo Federal para reduzir o número de municípios.

A cerimônia contou com a presença do prefeito Daniel Guerra (Republicanos), dos deputados estaduais Neri, O Carteiro (Solidariedade) e Carlos Búrigo (MDB). O vice-governador Ranolfo Vieira Júnior (PTB) esteve na sede do batalhão, mas deixou a cidade antes do início do evento.

O QUE ELE DISSE

Recuo no IPVA
"O Estado está precisando para o ajuste de suas contas encaminhar decisões e ações muito duras em relação ao próprio funcionalismo público. O que estamos encaminhando à Assembleia exigirá de servidores aposentados que recebem menos de R$ 5,8 mil passarem a pagar a contribuições previdenciária de 14% sobre o que excede R$ 1 mil do salário mínimo. É uma medida dura, mas necessária. Nós não visualizamos que a alteração do calendário do IPVA fosse gerar polêmica e houve um descuido político e por isso fizemos o recuo, para que possamos nos dedicar ao debate. Na forma que se estabeleceu a reação já não havia mais espaço para uma discussão racional sobre o tema."

122 e outras rodovias
"Reconhecemos que as estradas estaduais, especialmente a ERS-122, precisa de investimentos pesados, e o Estado não tem capacidade de fazer o investimento. Estamos contratando com o BNDES a modelagem para fazer a concessão de rodovias estaduais, vão ser 1 mil quilômetros de rodovias concedidas à iniciativa privada, incluindo a 122. Já determinei à EGR que comece a fazer os estudos e o projeto para a duplicação desse trecho."

Pagamento dos salários em dia
"É um objetivo que se torna cada vez mais distante. As alternativas que o governo buscou restaram infrutíferas, uma delas foi a venda de ações do Banrisul, a própria questão do IPVA e agora os leilões do pré-sal virão na metade do que se tinha a expectativa. Será um fim de ano, duro, difícil, e o Estado continua trabalhando para que se viabilize o máximo de recursos possíveis para colocar o calendário na melhor condição de pagamento dos servidores."

Redução do número de municípios
"É uma reflexão desejável que se faça, mas absolutamente impensável de se operar no curto e no médio prazo. Me parece que o grande foco das reformas que o Governo Federal apresenta estão nas outras ações de revisão do pacto federativo, redistribuição de recursos, reforma na estrutura administrativa dos governos. Tem outras questões que são mais prementes."

Leia também:
Queda de braço na Justiça marca processo de impeachment de Daniel Guerra
Saiba quais os municípios da Serra que poderão ser extintos com projeto do governo Bolsonaro
MDB de Caxias do Sul faz homenagem a Pedro Simon



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros