Confira quais vereadores votaram a favor e contra à admissibilidade do pedido de impeachment de Daniel Guerra - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Debate03/09/2019 | 16h09Atualizada em 03/09/2019 | 16h09

Confira quais vereadores votaram a favor e contra à admissibilidade do pedido de impeachment de Daniel Guerra

Sexta denúncia foi arquivada em sessão na manhã desta terça-feira

Confira quais vereadores votaram a favor e contra à admissibilidade do pedido de impeachment de Daniel Guerra Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Por 14 votos a oito, a Câmara de Vereadores rejeitou o sexto pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra (PRB), na manhã desta terça-feira (03). 

Leia mais
Câmara de Vereadores rejeita o sexto pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul
"Agressão à democracia", afirma Daniel Guerra sobre vereadores que votaram a favor a pedido de impeachment

Votaram a favor (do acolhimento do pedido): Elói Frizzo (PSB),  Alceu Thomé (PTB),  Paulo Périco (MDB), Edi Carlos (PSB), Alberto Meneguzzi (PSB), Rafael Bueno (PDT), Felipe Gremelmaier (MDB), Gladis Frizzo (MDB)

Votaram contra (a continuidade do pedido): Rodrigo Beltrão (PT), Elisandro Fiuza (Republicanos), Kiko Girardi (PSD), Paula Ioris (PSDB), Edson da Rosa (MDB), Renato Oliveira (PCdoB), Tatiane Frizzo (PSD), Arlindo Bandeira (PP), Ricardo Daneluz (PDT), Velocino Uez (PDT), Denise Pessôa (PT), Adiló Didomenico (PTB), Renato Nunes (PR), Gustavo Toigo (PDT)

Confira trechos dos pronunciamentos dos vereadores:

Rodrigo Beltrão (PT)
"A peça  apresenta alguns indícios que podem gerar uma condenação do prefeito por improbidade administrativa, isto tem que ser averiguado. No entanto, concordo com a tese da banalização do impeachment. A maioria dos  pedidos foi sequer protocolada por opositor ao prefeito. A maioria é acerto de contas entre pessoas que estavam juntas ali na eleição de 2016. Tem um ditado que diz o seguinte, "quem criou esse monstro, chamado prefeito Guerra, que embale e cuide". CONTRA

Elói Frizzo (PSB)
"O que estamos votando aqui é se abrimos um procedimento, apenas. Ninguém está julgando nada. Pode-se chegar à conclusão, lá adiante, pelo arquivamento. Não se pode é impedir que pelo menos a Câmara verifique, averigue o fundamento ou não. Se olharem o processo juntado ao pedido, a prefeitura foi inclusive multada por não fornecer informações a um juiz federal." A FAVOR

Alceu Thomé (PTB)
"Nós não estamos preparados ainda para saber a verdade, se foi feito esse serviço ou não foi feito em terreno particular. Se foi, é grave. Então eu entendo, assim, que, para que se possa analisar melhor, eu acredito que a admissibilidade neste momento é importante. Eu não me deixo levar aqui por pressão externa. Nós temos que nos basear em fatos concretos."  A FAVOR

Elisandro Fiuza (Republicanos)
"Precisamos compreender que, para que a gente possa aceitar uma peça, um documento, uma averiguação de alguma improbidade, é preciso ter pelo menos o mínimo de relevância. Informações que, realmente, demonstrem concreto que existe algo que verdadeiramente possa estar obscuro ou ter feito de uma forma errônea. Vejo que esse documento é muito confuso." CONTRA

Kiko Girardi (SD)
"Esse processo tem toda a sua legalidade, mas também esse instrumento está sendo usado para motivo de vingança, para promoção de algum partido. Se existe documentos comprovando que é da prefeitura ou que não é e o secretário autorizou, aí cada atitude errada de qualquer servidor público, de qualquer secretário, todo prefeito cairá no primeiro mês de sua administração." CONTRA 

Paula Ioris (PSDB)
"Entendo que muita gente nesta cidade está em contagem regressiva no tempo deste prefeito não estar mais administrando a nossa cidade. É lamentável que isso esteja acontecendo em nosso município. Mesmo assim, entendo que essa situação que foi trazida serve para uma exoneração e não um impeachment." CONTRA

Edson da Rosa (MDB)
"Esse instrumento de impeachment é muito sério. Está confusa essa instrumentalização, eu votarei contra até por conta de tudo que já aconteceu nesta Casa, é o sexto pedido. Eu tenho uma linha de pensamento, não vou deixar com que prestação de contas sejam feitas através do meu voto." CONTRA

Adiló Didomenico (PTB)
"Isso aqui é assunto talvez para uma CPI, para uma sindicância. Alguém vai ter que ser responsabilizado. Agora não vejo fundamento para um processo de impeachment se não... Essa administração já não tem coragem de assumir nada, agora imagina diante desse fato, porque não foi o prefeito que fez a topografia, não foi ele que foi lá demarcar o local e ninguém sabe onde é essa fração, isso que é o certo." CONTRA

Paulo Périco (MDB)
"Nem o secretário de Planejamento sabe quais terrenos públicos tem este município. Aí, neste meu requerimento (que pedia informações sobre a área contida na denúncia), encaminham duas escrituras que estão em nome da prefeitura, porém, não encaminharam aquela escritura que foi penhorada na Justiça do Trabalho porque realmente não é da prefeitura. É isso que esse pedido está pedindo. É isso, nem se for um metro. Um metro não é da prefeitura e lá foi feito investimento." A FAVOR

Edi Carlos (PSB)
"A bancada achou votar pela admissibilidade. Se tem crime e responsabilidade do prefeito ou de alguém, amanhã ou depois, nós veremos qual é o nosso voto." A FAVOR

Alberto Meneguzzi (PSB)
"É bom lembrar que todos os casos de denúncia aqui contra o senhor prefeito e de improbidades administrativas surgiram de pessoas ligadas a ele, que foram escolhidas por ele. No início, as pessoas que acompanham o meu trabalho diziam "Vocês estão prejudicando o prefeito com tantos pedidos de impeachment". Agora a cobrança é outra: "Vocês têm a oportunidade de fazer a investigação mais profunda e vocês não fazem." A FAVOR

Rafael Bueno (PDT)
"O conivente com o erro é o subordinado direto nomeado pelo prefeito Daniel Guerra, Fernando Mondadori, que estava ciente do erro, um erro de irresponsabilidade com o dinheiro público. Temos de garantir o direito para que nós possamos investigar." A FAVOR

Renato Nunes (PR)
"Esse é o pedido mais confuso que teve até agora, sem pé e sem cabeça. Uma verdadeira aberração. O que me entristece, porque vejo que esse instrumento importante da democracia, que é o impeachment, esse instituto está sendo banalizado. Virou moda agora, virou modinha. Qualquer coisa "não gostei do prefeito". Pedido, pedido de impeachment. "Não fui com a cara do prefeito": impeachment. "O prefeito não me atendeu": impeachment. Poxa! Está difícil." CONTRA

Não se manifestaram: Arlindo Bandeira/PP (contra), Denise Pessôa/PT (contra), Felipe Gremelmaier/MDB (a favor), Gladis Frizzo/MDB (a favor), Renato Oliveira/PCdoB (contra), Ricardo Daneluz/PDT (contra), Velocino Uez/PDT (contra), Tatiane Frizzo/SD (contra)

Leia também
Partido de Ricardo Fabris convida autor de pedido de impeachment para se filiar
Consulta Popular em Caxias do Sul começa nesta quarta-feira

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros