Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves prorroga CPI - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Fake news09/09/2019 | 18h01Atualizada em 09/09/2019 | 18h01

Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves prorroga CPI

Por maioria de votos, parlamentares decidiram prolongar investigação por mais 60 dias

Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves prorroga CPI Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução / Facebook

Os vereadores de Bento Gonçalves decidiram na tarde desta segunda-feira (9) prorrogar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fake News por 60 dias. Foram 13 votos favoráveis e três contrários. A CPI, instalada em 17 de maio, apura se houve o uso da estrutura funcional da Casa para criar e manter usuários falsos em redes sociais para a propagação de mentiras e comentários ilegais. O vereador Moacir Camerini (PDT) é investigado. O prazo inicial, de 120 dias, encerraria na terça.

Leia mais:
Câmara de Bento Gonçalves vota prorrogação da CPI das Fake News

Votaram pela prorrogação da investigação o presidente da CPI, Jocelito Tonietto (PDT), e os vereadores Anderson Zanella (PSD), Edson Biasi (PP), Elvio de Lima (MDB), Gilmar Pessutto (PSDB), Gustavo Sperotto (DEM),  Idasir dos Santos (MDB), Marcos Barbosa (PRB), Neri Mazzochin (PP), Paulo Roberto Cavalli, o Paco (PTB), Sidinei da Silva (PPS), Valdemir Marini (PTB) e Volnei Christofoli (PP). Foram contrários Camerini e os colegas Agostinho Petroli (MDB) e Moisés Scussel (PSDB).

Quatro depoimentos foram tomados entre 10 de junho e 1º de julho. Dênis Alex de Oliveira, Jorge Bronzatto e Jorge Mattos, ex-assessores de Camerini, admitiram a divulgação de informações falsas por meio de perfis criados para esta finalidade. Eles dizem que a orientação partiu do vereador. Também foi ouvida Rogéria Policárpio, que disse que foi induzida pelo pedetista a denunciar outro vereador por racismo, episódio que seria falso. Segundo a assessoria de imprensa da Câmara de Vereadores, a investigação nos últimos meses focou-se em busca de documentos.

Camerini será ouvido na próxima quinta (12). A oitiva está marcada para as 19h30min. Ele nega as acusações e diz que se trata de perseguição política. Segundo o vereador, se houve uso da estrutura da Câmara para divulgação de mentiras em redes sociais por parte dos assessores, isso foi feito sem o conhecimento dele. O pedetista afirma que nenhum documento que o incrimine foi localizado. Reclama também que nem ele e nem duas testemunhas que indicou foram ouvidos até agora. Para Camerini, também seria preciso investigar outros parlamentares.

OS VOTOS

FAVORÁVEIS
Jocelito Tonietto (PDT), Anderson Zanella (PSD), Edson Biasi (PP), Elvio de Lima (MDB), Gilmar Pessutto (PSDB), Gustavo Sperotto (DEM),  Idasir dos Santos (MDB), Marcos Barbosa (PRB), Neri Mazzochin (PP), Paulo Roberto Cavalli, o Paco (PTB), Sidinei da Silva (PPS), Valdemir Marini (PTB) e Volnei Christofoli (PP).

CONTRÁRIOS
Moacir Camerini (PDT), Agostinho Petroli (MDB) e Moisés Scussel (PSDB).

Leia também:
Adversários políticos dividem o mesmo banco na igreja
Salários de até R$ 8,6 mil: confira as vagas abertas em concursos públicos na Serra
Ari Dallegrave fala sobre as perspectivas do MDB para as  eleições municipais


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros