Ex-assessor de vereador de Bento Gonçalves afirma que utilizava seis perfis falsos em redes sociais - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

CPI das Fake News 11/06/2019 | 11h51Atualizada em 11/06/2019 | 15h59

Ex-assessor de vereador de Bento Gonçalves afirma que utilizava seis perfis falsos em redes sociais

Em CPI, ex-funcionário disse que era cobrado pelo vereador Moacir Camerini para propagar informações falsas pela internet

Ex-assessor de vereador de Bento Gonçalves afirma que utilizava seis perfis falsos em redes sociais Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Dênis Alex de Oliveira, ex-coordenador do gabinete do vereador Moacir Camerini (PDT), foi o primeiro a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fake News na tarde desta segunda-feira (10), na Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves. A investigação foi criada para investigar a suposta propagação de informações falsas por meio de redes sociais a mando de Camerini. No depoimento, Oliveira afirmou que criou seis perfis falsos sob ordem do vereador pedetista, nas redes sociais WhatApp e Facebook. Ele disse que sabia que se tratava de material criado com a finalidade de atingir representantes políticos ou defender a imagem do parlamentar em páginas de notícias.  

Leia mais
Ex-assessores serão ouvidos em CPI que investiga suposta repasse de mensagens com perfis falsos por vereador de Bento Gonçalves 

Oliveira afirmou que, inicialmente, os perfis foram criados para popularizar o trabalho da Câmara de Vereadores e, com o tempo, passaram a ser usados para ofender outras pessoas e ingressar em discussões políticas. 

 — Com o tempo, ficou para a gente defender ou entrar em algumas notícias e brigar. Então, a gente era cobrado para fazer os perfis. Mas o que mais era propagado era pelo WhatsApp. Ele solicitava que a gente entrasse nos perfis para comentar matérias e enviar por grupos de WhatsApp – afirmou o ex-assessor.

Oliveira disse ainda que Camerini cobrava que um assessor utilizasse a conta da própria esposa em uma rede social para propagar informações e entrar em discussões políticas pela internet. 

— A gente utilizava as nossas e as fakes, um colega meu utilizava a da esposa dele. Todos tínhamos acesso e alguns eram mantidos pelo próprio vereador – complementou Oliveira.  

As datas dos próximos depoimentos serão definidas ao longo dos próximos dias. Ainda devem depor os dois outros ex-assessores que fariam parte do esquema e o parlamentar que está sendo alvo da investigação.  O presidente da Comissão é o vereador Jocelito Tonietto (PDT). Na vice-presidência, está o vereador Idasir dos Santos (MDB). O parlamentar Volnei Christofoli (PP) é relator. O documento de criação da CPI foi assinado por 14 parlamentares. A CPI terá o prazo de 120 dias e pode ser prorrogada por mais 60.   

Leia também
Secretário de Saúde de Caxias do Sul está de férias de fachada
"Os bairros estão muito debilitados", afirma presidente reeleito da UAB de Caxias
Os dias sabáticos de José Ivo Sartori 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros