Manuela D'Ávila lança livro em Caxias do Sul nesta quinta-feira - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Política e maternidade01/05/2019 | 14h47Atualizada em 01/05/2019 | 14h47

Manuela D'Ávila lança livro em Caxias do Sul nesta quinta-feira

Revolução Laura é a obra de estreia da ex-deputada

Manuela D'Ávila lança livro em Caxias do Sul nesta quinta-feira Karla Boughoff/Divulgação
Manuela e Laura no lançamento do livro na USP, em abril Foto: Karla Boughoff / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Seis meses após a eleição presidencial que a deixou fora do Palácio do Planalto, Manuela D'Ávila (PCdoB) imprime um novo ritmo de vida. A candidata a vice-presidente da República na chapa então encabeçada por Fernando Haddad (PT) criou o Instituto E se fosse você?, que trabalha com "fake news" e rede de ódio e realiza debates sobre temas como maternidades e espaços públicos. 

Leia mais
"Ficar sem mandato sempre fez parte da minha ideia", diz Manuela D'Ávila

Manuela também virou escritora. Nesta quinta-feira (2), ela estará em Caxias para lançar seu livro de estreia, o Revolução Laura, pela editora caxiense Belas Letras. Nele, ela aborda como é conciliar a função de mãe com a militância política e social. O nome é uma homenagem à filha de três anos que a acompanha em atividades políticas desde que nasceu e ganhou mais visibilidade durante o período eleitoral de 2018. 

— Eu brinco, mas escrevo sério que a Laura me salvou, porque mudou o clima da campanha. Foi a eleição mais violenta politicamente da história, mas eu tinha uma criança com conversas absolutamente diferentes daquelas que tinha com minha turma. Eu podia estar com a maior tensão do mundo e ela estava preocupada com os brinquedos, se ia poder ficar no hotel, se ia ter pão de queijo. Isso me obrigou, felizmente, a manter a minha saúde mental e não entrar nesse ambiente de tanto ódio — conta.

Embora sem mandato — após 15 anos, é a primeira vez que não ocupa cargo eletivo —, Manuela continua se dedicando à militância social e partidária e atenta a questões que considera preocupantes, como a reforma da Previdência, principal pauta do governo federal no momento. Para ela, a proposta penaliza as pessoas mais pobres, especialmente as mulheres. 

— Como tornar equivalente (homens e mulheres) em um país onde mulheres ainda trabalham 26 horas e meia por semana nas suas casas? É o fim da Previdência pública como instrumento que permite a aposentadoria dos trabalhadores mais pobres — entende. 

Barrar a reforma, segundo Manuela, está ao lado de outras lutas contra medidas que ela considera prejudiciais à sociedade brasileira, como o homeschooling, proposta de educação em casa, e o corte de recursos para universidades federais. 

— Me assusta que nós possamos retroceder décadas na história do ensino brasileiro, sobretudo do Ensino Fundamental. Nós, que precisamos melhorar a qualidade do ensino ofertado, vamos tirar as crianças de sala de aula. Hoje o presidente anuncia corte de recursos das universidades que se manifestaram fortemente contra o governo dele, ou seja, é uma atitude muito similar à que acontece em regimes bastante fechados — diz. 

Manuela, que já foi vereadora e deputada estadual e federal, já está trabalhando no segundo livro, que tratará sobre feminismo. A obra deve ser lançada no segundo semestre. Ela diz não ter planos de disputar eleição no próximo ano. 

SERVIÇO
O quê:
lançamento de Revolução Laura.
Quando: quinta-feira (sessão de autógrafos às 18h30min, seguido de bate-papo sobre emancipação das mulheres).
Onde: Bloco H da Universidade de Caxias do Sul.
Quanto: R$ 40 à vista e R$ 44,90 no cartão.

Leia também
Vereador Tibiriçá Maineri se despede da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul
Confira todas as mudanças no secretariado do prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra
Washington reforça proximidade com o poder

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros