TJ barra tentativa de prefeitura de Gramado em recurso sobre contratação de parentes - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Nepotismo22/04/2019 | 14h19Atualizada em 22/04/2019 | 14h19

TJ barra tentativa de prefeitura de Gramado em recurso sobre contratação de parentes

Prefeito Fedoca diz que vai recorrer da decisão, que ampara emenda à Lei Orgânica

TJ barra tentativa de prefeitura de Gramado em recurso sobre contratação de parentes Câmara de Vereadores de Gramado/Divulgação
Foto: Câmara de Vereadores de Gramado / Divulgação

O Tribunal de Justiça (TJ) julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) ajuizada pela Prefeitura de Gramado contra a Câmara de Vereadores. O Legislativo alterou a Lei Orgânica do Município no que se refere à contratação de parentes, situação que caracteriza o nepotismo. A sessão com a decisão do órgão especial do TJ ocorreu nesta semana.

No final de 2017, o Legislativo gramadense aprovou uma emenda à Lei Orgânica que incluiu o Artigo 68, que trata sobre os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência na administração direta e indireta do Executivo e Legislativo. 

A matéria foi aprovada em dois turnos por unanimidade dos vereadores, nos dias 4 e 18 de dezembro de 2017. A lei foi promulgada pelo presidente da Casa, Luia Barbacovi (PP), no dia 11 de janeiro do ano passado. 

O atual presidente da Câmara, vereador Rafael Ronsoni (PP), diz que a intenção com a mudança na Lei Orgânica foi de moralizar a contratação de parentes no Executivo e Legislativo. No primeiro escalão, Ronsoni cita os casos da secretária de Educação Gilça Silva, casada com o chefe de Gabinete Renato Bertoja, e do subsecretário da Fazenda Daniel Preto, casado com a subsecretária da Administração Adriana Preto. 

Outro casal atingido é o procurador-geral João Gilberto Barbosa Barcellos e a diretora de Atenção Básica, Fernanda Campos Meireles. Há ainda casos de irmãos e primos que atuam como CCsdo governo municipal. 

– O problema são os cargos de parentesco entre os CCs. Ele (o prefeito João Alfredo de Castilhos Bertolucci, o Fedoca) deveria ter retirado os cargos, mas não quis demitir. Ele sofre o risco de apontamento pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e pelo Ministério Público (MP). 

Ronsoni afirma que a decisão do TJ coloca um ponto final nesta “chaga” chamada nepotismo.

– O Legislativo cumpriu sua função e atendeu à reivindicação da comunidade. Assim, também foi entendido pelo Tribunal de Justiça, que confirmou que tal medida é legal e apropriada, pois já existe legislação federal e estadual, bem como a súmula 13 do STF (Supremo Tribunal Federal). A preocupação maior desta Casa é pôr um ponto final nessa chaga chamada nepotismo, não só para essa gestão, mas para o futuro do poder público.

“Não tem ladrão nas minhas secretarias”

Inconformado com a mudança na Lei Orgânica, o prefeito de Gramado, João Alfredo de Castilhos Bertolucci, o Fedoca, ingressou com a Adin em abril do ano passado. Ele aguarda a publicação do acórdão do TJ para exonerar três secretários e outros CCs com grau de parentesco. Fedoca pretende que esses CCs indiquem quem pretende deixar o governo municipal. Caso não houver essa definição, ele tomará a decisão da exoneração. 

– Em relação aos secretários não (há ilegalidade). Entendemos que há um vício de origem, uma interferência de um poder (Legislativo) no outro (Executivo). Queria chamar a atenção que nenhuma das pessoas nomeadas são meus parentes.

Fedoca diz que não há nenhuma imoralidade ao contratar pessoas com grau de parentesco.

– O embaraço é contratar gente que rouba, que sejam corruptos. Isso é imoral. O fato de um secretário ter um parente no governo não significa que seja inadequado. Não tem ladrão nas minhas secretarias.

A administração vai recorrer no STF.. 

ENTENDA O CASO

:: No final de 2017, a Câmara de Vereadores aprovou, por unanimidade, emenda à Lei Orgânica impedindo a contratação de parentes, que caracteriza nepotismo.

:: O texto emendado diz: “Os cargos em comissão não podem ser ocupados por cônjuges ou companheiros e parentes, consanguíneos, afins ou por adoção, até o terceiro grau.”

:: Em abril do ano passado, a prefeitura ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a emenda no Tribunal de Justiça (TJ).

:: No dia 15 de abril deste ano, o TJ julgou improcedente a ação da prefeitura.

Lei Orgânica (artigo incluído)

Art. 68 A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes do Município obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, e ao seguinte:

§ 4º Os cargos em comissão não podem ser ocupados por cônjuges ou companheiros e parentes, consanguíneos, afins ou por adoção, até o terceiro grau:

I - do Prefeito, do Vice-Prefeito, do Procurador-Geral e dos secretários municipais, secretário adjuntos, diretores, coordenadores, supervisores, assessores, ou titulares de cargos que lhes sejam equiparados, no âmbito da administração direta do Poder Executivo;

II - dos Vereadores no âmbito da Câmara;

III - dos Presidentes, diretores, ou titulares de cargos equivalentes, e dos Vice-presidentes, ou equivalentes, no âmbito da respectiva autarquia, fundação instituída ou mantida pelo Poder Público, empresa pública ou de economia mista.

Constituição Estadual

Art. 20 A investidura em cargo ou emprego público assim como a admissão de empregados na administração indireta e empresas subsidiárias dependerá de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, ressalvadas as nomeações para cargos de provimento em comissão, declarados em lei de livre nomeação e exoneração.

§ 5.º Os cargos em comissão não podem ser ocupados por cônjuges ou companheiros e parentes, consanguíneos, afins ou por adoção, até o segundo grau:

I - do Governador, do Vice-Governador, do Procurador-Geral do Estado, do Defensor Público-Geral e dos Secretários de Estado, ou titulares de cargos que lhes sejam equiparados, no âmbito da administração direta do Poder Executivo;

II - dos Desembargadores e Juízes de 2.º grau, no âmbito do Poder Judiciário;

III - dos Deputados Estaduais, no âmbito da Assembleia Legislativa;

IV - dos Procuradores de Justiça, no âmbito da Procuradoria-Geral de Justiça;

V - dos Conselheiros e Auditores Substitutos de Conselheiros, no âmbito do Tribunal de Contas do Estado;

VI - dos Presidentes, Diretores-Gerais, ou titulares de cargos equivalentes, e dos Vice-presidentes, ou equivalentes, no âmbito da respectiva autarquia, fundação instituída ou mantida pelo Poder Público, empresa pública ou sociedade de economia mista.

O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO E A INTERPRETAÇÃO DO STF

Súmula Vinculante 13 do STF

A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal.

Exceções à Súmula 13

Decisão da 2 ª Turma do STF em setembro de 2018 entendeu como válida a nomeação de familiares para o exercício de “cargo político”. O caso examinado foi o da prefeita de um município paulista que havia nomeado o marido como chefe de gabinete e fora condenada por improbidade administrativa. As informações são do portal Consultor Jurídico. 

Em seu voto, o ministro Celso de Mello anotou que a Súmula Vinculante 13 tem sido afastada pelo STF nos casos que envolvem a nomeação de parentes em cargos de “natureza política”. E exemplificou: “Como ministro de Estado ou secretário estadual e municipal”. 

Mello faz a ressalva de que os casos não podem configurar “hipóteses de fraude à lei,” ou no caso de ausência evidente de qualificação técnica ou de idoneidade moral.”

Leia também
Após trajetória polêmica na política em Caxias, Washington assume cargo nacional
"O que fiz em Caxias, posso fazer em nível Brasil", afirma novo secretário Nacional do Esporte
Escolas ou uniformes, a prioridade que deve ser discutida


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros