Leite mostra disposição ao diálogo e usa receita semelhante à de Sartori - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Mirante08/02/2019 | 08h00Atualizada em 08/02/2019 | 08h00

Leite mostra disposição ao diálogo e usa receita semelhante à de Sartori

Governador inova ao se reunir com a oposição e sindicatos, ao mesmo tempo em que adota agenda de privatização de estatais já existente na gestão anterior

Leite mostra disposição ao diálogo e usa receita semelhante à de Sartori Reprodução/Twitter
Leite se reuniu com o Cpers nesta quinta-feira Foto: Reprodução / Twitter

O governador Eduardo Leite (PSDB) introduziu a novidade da disposição e da iniciativa para o diálogo. Procurou as bancadas, todas elas, incluindo as do PT e de partidos de esquerda. Teve aprovada a manutenção das alíquotas do ICMS, inclusive com os votos da bancada petista. Nesta quinta-feira (7), iniciou o que chama de “agenda de diálogos com os sindicatos e corporações”. Entre as entidades, nada mais emblemático do que a visita ao Cpers (na foto). Também foi à sede da Fessergs (Federação Sindical dos Servidores Públicos no Estado). Esta é uma novidade de método, e uma novidade a ser saudada, a disposição para o diálogo, que não é comum aos governantes. Por isso, chama atenção.

“O gesto de ir às sedes dos sindicatos é para mostrar que o governo está menos interessado em estar no governo e mais interessado em resolver os problemas. É para deixar claro que nós temos uma agenda do diálogo”, escreveu Leite no Twitter.

Ao mesmo tempo, se inova pelo diálogo, a agenda de Leite para a grandiosa crise do Estado é privatizar estatais e a renegociação da dívida da União. No discurso de abertura do ano legislativo na Assembleia, anunciou que enviará nos próximos dias projeto para dispensar plebiscito para privatização de estatais. Agenda semelhante à do governo de José Ivo Sartori (MDB), como já havia anotado o deputado estadual Carlos Búrigo (MDB). O também deputado Pepe Vargas (PT) apontou essa linha de continuidade em manifestação no primeiro dia na Assembleia.

– Como o governo anterior, o governador propõe vender patrimônio, conter os gastos em cima do funcionalismo e renegociar a dívida.

Mais de um mês depois de assumir, já é possível anotar: há uma novidade importante de método e quase nenhuma na política econômica e fiscal.

O vereador Rodrigo Beltrão (PT) postou em uma rede social, com uma fotomontagem que funde fotos de Sartori e Leite: “Não existe novidade mais velha que essa: vende-se tudo, e, se possível, sem escutar a população!”

Leia mais:
Câmara de Bento Gonçalves tem novo horário para protocolo de documentos
Antonio Feldmann, ex-vice-prefeito de Caxias, deixa o PSD
Articulada frente contra a gestão compartilhada da UPA Central

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros