Eduardo Leite toma posse como governador do Rio Grande do Sul - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Cerimônia01/01/2019 | 17h55Atualizada em 01/01/2019 | 19h05

Eduardo Leite toma posse como governador do Rio Grande do Sul

Novo governo quer incorporar novas formas de gestão pública 

Eduardo Leite toma posse como governador do Rio Grande do Sul Robinson Estrásulas/Agencia RBS
Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

No Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite (PSDB) foi empossado para ocupar o Palácio Piratini pelos próximos quatro anos em cerimônia na Assembleia Legislativa do estado. Também foi oficializado o vice da chapa, Ranolfo Vieira Júnior (PTB).

O tucano derrotou no 2ª turno com 53,6% dos votos José Ivo Sartori (MDB), que concorria à reeleição. Leite é o governador mais jovem eleito na disputa de outubro e um dos nomes do três nomes do PSDB bem-sucedidos nos embates para administrações estaduais, juntamente com João Dória, em São Paulo, e Reinaldo Azambuja, em Mato Grosso do Sul.

O novo titular do Palácio Piratini destacou a necessidade de se adaptar a alterações na sociedade que envolvem do sistema político à introdução de novas tecnologias. "Estamos vivendo uma mudança de eras na economia, na política, nos valores, nos modelos e nas relações sociais. Esse tempo novo precisa de novos olhares, mais contemporâneos, construtores da inovação como ferramenta da gestão pública que construa novas convergências", defendeu.

A nova gestão responderá a esses desafios governando "online e on time", tirando o gabinete do Palácio e incorporando novas formas de gestão pública. Defendeu abertura e interlocução constante com os demais poderes do estado.

Leite destacou a necessidade de qualificar a educação como forma de transição entre o mundo analógico e os desafios dos novos tempos e que deve reduzir burocracia e destravar a inovação e a competitividade do setor produtivo do estado. Segundo o tucano, a socialdemocracia ancorada nos princípios de livre mercado e da proteção social "não está morta".

Finanças

O mandatário comentou que a nova gestão deve construir "consensos estratégicos" que valorizem as ideias em comum que permitam fazer o estado crescer e estender isso a todos a população. Essas ações devem considerar soluções para a crise fiscal do estado, aprofundada nos últimos anos. "O Rio Grande do Sul apresenta indicadores de dívida consolidada e despesas com pessoal acima dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal", citou.

O novo governador mencionou as obrigações em atraso tanto com servidores públicos como para fornecedores. A estimativa é que o deficit em 2019 seja de R$ 4 bilhões. E informou que o deficit no sistema previdenciário do estado estaria na casa dos R$ 11 bilhões.

Leite se dirigiu aos servidores do estado para dizer que vai buscar construir soluções mantendo sempre canais de diálogo. O aceno se dá após anos de conflito entre os trabalhadores e a administração estadual e frente ao desafio da fragilidade das contas públicas para garantir o pagamento dos salários e outras obrigações.

O novo titular do Palácio Piratini anunciou que na primeira reunião do secretariado, marcada para amanhã (2), serão anunciadas medidas emergenciais de contenção de gastos com pessoal e custeio. Mas que as medidas estruturais serão discutidas e aprovada nos primeiros meses da gestão.

Após a cerimônia na Assembleia Legislativa, Eduardo Leite se dirigiu ao Palácio Piratini, onde ocorre a transmissão do cargo do governador juntamente com o político que deixa o posto, José Ivo Sartori.


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros