Presidente da Câmara de Caxias cobra desfecho do caso do "corretivo" - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Legislativo08/12/2018 | 07h00Atualizada em 08/12/2018 | 11h49

Presidente da Câmara de Caxias cobra desfecho do caso do "corretivo"

Alberto Meneguzzi enviou pedido de informações ao presidente da Comissão de Ética, Renato Nunes

Presidente da Câmara de Caxias cobra desfecho do caso do "corretivo" Felipe Padilha/Divulgação
Alberto Meneguzzi (PSB) aguarda encaminhamento da Comissão de Ética Foto: Felipe Padilha / Divulgação

Sem consenso entre os três membros da Subcomissão de Ética da Câmara de Vereadores de Caxias, está um imbróglio o desenrolar do processo administrativo contra o líder do governo Chico Guerra (PRB), no caso do “corretivo”. Tanto que o presidente da Casa, Alberto Meneguzzi (PSB), fez um documento, nesta sexta-feira, pedindo informações ao presidente da Comissão de Ética, Renato Nunes (PR), sobre os passos do processo e se foram realizadas diligências. 

Leia mais
Mirante: relator pede arquivamento do processo contra líder do governo na Câmara de Caxias
Vereador quer suspensão do líder do governo por 60 dias no caso do "corretivo"
Vereador quer advertência ao líder do governo na Câmara de Caxias no caso do "corretivo" 

Cada integrante da subcomissão posicionou-se de uma forma: o relator Edi Carlos Pereira de Souza (PSB) é pelo arquivamento; Ricardo Daneluz (PDT) defende advertência por escrito e sugere pedido de desculpas por parte de Chico Guerra; e Paulo Périco (MDB) entende que cabe suspensão por 60 dias, a partir de 1º de fevereiro de 2019, quando encerra-se o recesso parlamentar.

O assessor jurídico da comissão, Paulo Lima, diz que vai conversar com os três da subcomissão na segunda-feira para que seja, enfim, protocolado um parecer para Nunes que, por sua vez, enviará ao presidente da Câmara. 

Até o final da tarde, a informação era de que somente havia sido protocolado o ofício de Périco registrando sua posição.

O processo, que resulta de requerimento protocolado pelo vereador Rafael Bueno (PDT), em 7 de junho, deve-se aos áudios das conversas entre Chico e o ex-coordenador de Relações Comunitárias Rafael Bado. O episódio teve forte repercussão, diante da revelação de que o líder do governo sugeria que o presidente da Associação de Moradores do Bairro Cânyon, Marciano Correa da Silva, tivesse um "corretivo" por sua postura oposicionista ao governo Daniel Guerra (PRB). Também era citada a expressão "lista negra". 

Como a última sessão do ano será na quinta-feira (13), entra-se em contagem regressiva para que o assunto tenha um desfecho ainda neste ano. 

Trâmite

Se a decisão da Subcomissão de Ética for pelo arquivamento do processo administrativo, precisará ser submetido à apreciação do plenário. Do contrário, é preciso uma resolução da Mesa Diretora que será encaminhada para análise e parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Leia também
"Não temos nada a esconder", diz Sartori em visita a Farroupilha
"Auxílio-mudança": Pepe Vargas vai receber, Mauro Pereira já ganhou

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros