Mirante: confusão em torno do Postão 24 Horas em Caxias - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde03/10/2018 | 08h35Atualizada em 03/10/2018 | 10h26

Mirante: confusão em torno do Postão 24 Horas em Caxias

Nova polêmica envolve o governo Guerra

Mirante: confusão em torno do Postão 24 Horas em Caxias Sandro Clamer/Divulgação
Pela manhã, vereadores não foram recebidos. À tarde, conseguiram falar com prefeito Foto: Sandro Clamer / Divulgação

Expectativa e tensão marcaram os encaminhamentos do governo Daniel Guerra (PRB), nesta terça-feira, em função da reforma e ampliação do Postão 24 Horas. O entendimento de vereadores e servidores, pela manhã, era de que seria fechado e os cerca de 400 usuários diários seriam encaminhados para a UPA Zona Norte. Houve tentativa de conversa com o prefeito, com 20 vereadores se dirigindo à prefeitura. Sem sucesso. À tarde, após a polêmica, aconteceu reunião no gabinete entre Guerra e 11 parlamentares. 

Leia mais
Após reunião entre prefeito e vereadores, dúvidas sobre o Postão de Caxias permanecem
"Houve a invasão do serviço, isso é um crime", diz prefeito de Caxias sobre protesto de servidores no Postão
Prefeitura cancela assembleia que teria com servidores do Postão nesta terça-feira
HG confirma que receberá pacientes do Postão de Caxias que deve fechar para obras
Conselheiros de Saúde protestam contra fechamento do Postão 24H em Caxias

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara, Renato Oliveira (PCdoB), diz que a UPA não tem capacidade para atender mais 400 pessoas por dia. Ele entende que o Centro Especializado de Saúde (CES), na Rua Sinimbu, poderia ter essa estrutura, sem as pessoas precisarem se deslocar à UPA. 

– Nossa preocupação é para onde iriam essas 400 pessoas – diz Oliveira.

Conforme o vereador, o prefeito não respondeu se haverá o fechamento. Disse que será feito um estudo para ver a necessidade. 

De acordo com nota da Câmara, o prefeito afirmou que a informação sobre o fechamento é falsa.  A prefeitura também enviou nota dizendo que em nenhum momento a administração municipal se manifestou oficialmente pelo fechamento do Postão.

Mas, para o presidente da Comissão de Saúde, Guerra recuou depois das manifestações. Assim como ele, diz Oliveira, outros vereadores tinham o entendimento de que o Postão seria fechado de forma arbitrária. Antes da reunião com os vereadores, o Pioneiro conversou com Guerra na abertura da Mercopar (veja o vídeo abaixo), mas ele saiu pela tangente quando questionado se os trabalhos no Postão serão suspensos durante as obras. 

Tudo seria evitado se a prefeitura tivesse sido clara em suas intenções quando o assunto veio à tona. 

Leia também
Três questões para Paulo Paim, candidato ao Senado pelo PT
Oito temas para Geraldo Alckmin, candidato a presidente da República pelo PSDB
Festa da Uva 2019 renova patrocínio máster

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros