STF rejeita denúncia de racismo contra Jair Bolsonaro - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Justiça11/09/2018 | 19h13Atualizada em 11/09/2018 | 19h13

STF rejeita denúncia de racismo contra Jair Bolsonaro

Declarações em uma palestra proferida por ele no ano passado no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, motivaram a denúncia 

STF rejeita denúncia de racismo contra Jair Bolsonaro Patrick Rodrigues/Agencia RBS
Procuradora-geral da República entendia que o deputado ofendeu determinados grupos e atacou toda a sociedade Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, nesta terça-feira, por 3 votos a 2, a denúncia de racismo e discriminação apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o deputado federal Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, devido a um discurso proferido por ele no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, em abril do ano passado.

Na ocasião, o deputado disse, entre outras frases destacadas pela PGR, que ao visitar um quilombo constatou que "o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador eles servem mais".

Em outros trechos de seu discurso, Bolsonaro disse, por exemplo, que "nós não podemos abrir as portas do Brasil para todo mundo", o que na visão da PGR discrimina estrangeiros. As frases: "Eu tenho cinco filhos. Foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher" e "Nós, o povo, a sociedade brasileira, não gostamos de homossexual", incitaram ódio contra mulheres e homossexuais, sustentou Raquel Dodge. 

O julgamento, iniciado em 28 de agosto, foi retomado com o voto do ministro Alexandre de Moraes, último a votar no caso. Ele afirmou que "por mais grosseiras, por mais vulgares, por mais desrespeitosas, as declarações foram dadas no contexto de crítica política a políticas governamentais". Por esse motivo, Bolsonaro estaria coberto pela liberdade de expressão e pela imunidade parlamentar.  

Ele entendeu que as falas de Bolsonaro "não caracterizaram, por pior que tenham sido, a incitação à violência física e psicológica, ou apoio a violência física e psicológica a negros, a quilombolas, a estrangeiros".

Alexandre de Moraes seguiu o voto do relator, ministro Marco Aurélio Mello. Do mesmo modo, o ministro Luiz Fux considerou que as falas de Bolsonaro se inseriram no contexto da liberdade de expressão, rejeitando a denúncia.

Em agosto, os ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber votaram pelo recebimento de parte da denúncia. Eles consideraram que Bolsonaro deveria se tornar réu e responder a ação penal pelos crimes de discriminação e incitação ao crime, devido a falas em relação aos quilombolas e aos gays.

A denúncia

A denúncia foi oferecida ao STF pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em 13 de abril, em decorrência de uma palestra proferida no ano passado por Bolsonaro no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro.

Ela acusou o deputado de racismo e manifestações discriminatórias contra quilombolas, índios, refugiados, mulheres e lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs). Para a PGR, o discurso proferido pelo deputado transcendeu a ofensa a determinados grupos e atacou toda a sociedade, por incitar a discriminação a grupos vulneráveis, o que é vedado por lei.

Mesmo com a rejeição da denúncia, Bolsonaro é réu em duas ações penais no STF, nas quais é acusado de injúria e de incitação ao estupro, devido a declarações feitas em relação à deputada Maria do Rosário (PT-RS).

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros