"Vereador de ontem" ou "de hoje"?, provoca Renato Oliveira ao falar sobre Renato Nunes - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante02/08/2018 | 08h00Atualizada em 02/08/2018 | 08h06

"Vereador de ontem" ou "de hoje"?, provoca Renato Oliveira ao falar sobre Renato Nunes

Troca de alfinetadas ocorreu durante sessão desta quarta-feira

"Vereador de ontem" ou "de hoje"?, provoca Renato Oliveira ao falar sobre Renato Nunes Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Renato Nunes anunciou apoio à reeleição de Sartori Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Rendeu explicações na sessão desta quarta-feira da Câmara o apoio anunciado do vereador Renato Nunes (PR) à reeleição do governador José Ivo Sartori (MDB), seguindo decisão da convenção estadual do partido, na segunda-feira. Na sessão de terça, Nunes havia admitido o apoio.

Leia Mais
PCdoB confirma candidatura de Manuela D'Ávila à Presidência
PRB oficializa apoio à candidatura de Alckmin

– Missão dada é missão cumprida – disse.Ontem, Nunes pediu uma “declaração de líder” , como líder do PR, para discorrer sobre sua posição, e enfatizou as distinções entre as situações local, estadual e federal. 

– Eu não sou escravo de ninguém. Eu decido. Não voto a cabresto de ninguém (no caso, do próprio partido). Se eu quero acompanhar (a decisão do PR), eu acompanho. Levou, porém, um contra-ataque do vereador Renato Oliveira, do PCdoB. 

Pedindo um aparte a outro vereador para voltar ao tema, Oliveira desferiu:

– Eu quero saber qual é o vereador (que vale). É o de ontem, ou é o de hoje?Referia-se à dúvida entre o vereador a quem “missão dada é missão cumprida” ou aquele que não vota “a cabresto” do partido. Isto é, missão dada é missão cumprida, mas depende de qual missão. 

"Missão impossível"
Nunes respondeu a Renato Oliveira:– Eu cumpro (decisões partidárias) com a liberdade na alma. Em nível federal, já é outro papo. Eu vou apoiar quem eu quiser.Nunes vai apoiar Jair Bolsonaro (PSL). Porém, o PR, que integra o grupo de partidos chamado Centrão, já decidiu pelo apoio ao candidato tucano Geraldo Alckmin para presidente.

– Em nível federal, sinto muito. Esta missão é impossível – reiterou Nunes.


Missão para Guerra
Ao desprezar a decisão do PR nacional de apoiar Alckmin, Renato Nunes deixa explícito o desapego às instituições partidárias.
O prefeito Daniel Guerra (PRB), que também tem desapego a partidos, apesar de ser filiado ao PRB, ainda não abriu voto para presidente. Porém, convenção nacional da legenda, realizada ontem em Brasília, lhe dá um caminho. O PRB também decidiu pelo apoio a Geraldo Alckmin.Guerra vai respeitar a decisão de seu partido? Ou também vai considerar essa uma “missão impossível”? 

Leia Também
Julho é o terceiro mês mais violento em Caxias do Sul desde 2015
Novo posto de saúde do Reolon, em Caxias, fica pronto na semana que vem, segundo secretário  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros